Nuno Jacinto: “Chegou a altura de afirmar o valor da nossa especialidade”
DATA
23/01/2021 16:35:19
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Nuno Jacinto: “Chegou a altura de afirmar o valor da nossa especialidade”

“Queremos ser médicos de família por inteiro”. As palavras são do presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), Nuno Jacinto, proferidos na posse dos novos órgãos sociais, este sábado, 23 de janeiro. Numa cerimónia virtual, reiterou que “chegar a altura de afirmar o valor” da especialidade.

“Não basta que nos considerem o alicerce do Serviço Nacional de Saúde. É necessário que isso tenha consequências, que tenham expressão prática”, enfatizou.

Nuno Jacinto contextualizou esta reivindicação no papel desempenhado pelos médicos de família no combate à pandemia de Covid-19: “A esmagadora maioria dos doentes são seguidos por nós. Nunca virámos as costas, nem fechámos as portas. Provamos, a cada dia, o nosso valor, excedemo-nos a cada minuto”.

Nessa intervenção, emerge a preocupação de “conciliar a pandemia com as outras necessidades de saúde, que nunca desapareceram”, com o novo presidente da APMGF a chamar a atenção para a falta de meios técnicos e, sobretudo, de recursos humanos. “Não conseguimos estar em dois sítios ao mesmo tempo ou fazer com que os nossos dias tenham mais horas”, comentou, manifestando o receio de que muitas unidades de cuidados de saúde primários estejam “à beira do colapso”.

Focando-se na APMGF, afirmou que, com os novos órgãos sociais, “avança para uma fase de mudança”: “Perante os novos desafios desta época conturbada e inesperada, sentimos que podíamos fazer mais”, declarou, apontando as três linhas de atuação que se propõe cumprir.

A primeira passa por tornar a associação mais participada, com lugar para que todos os médicos de família possam intervir. Em segundo lugar, elencou o reforço do desenvolvimento técnico-científico, nomeadamente, fomentando o diálogo com a academia. E, por fim, defender a qualidade e segurança do exercício profissional no atual contexto.

“Queremos dar voz a todos, uma associação mais descentralizada, em que prevaleça o diálogo e que seja recetiva à participação de todos”, enfatizou, realçando ser sua intenção manter “uma liderança muito interativa, muito cooperativa”. O que envolve reforçar o papel dos grupos de estudo já existente e criar novos, fazendo o mesmo com as delegações regionais.

“Queremos reforçar o peso científico e sócio cultural” da Medicina Geral e Familiar e da APMGF, sintetizou.

A "hiperventilação" dos Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Joana Romeira Torres
A "hiperventilação" dos Cuidados de Saúde Primários
A Organização Mundial de Saúde alude que os Cuidados de Saúde Primários (CSP) são cruciais para a obtenção de promoção da saúde a nível global. Neste sentido, a Organização Mundial dos Médicos de Família (WONCA) tem estabelecido estratégias que têm permitido marcar posição dos mesmos na comunidade médica geral.

Mais lidas