Covid-19: Vacina da Novavax mostra uma eficácia de mais de 89%
DATA
29/01/2021 13:00:23
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Vacina da Novavax mostra uma eficácia de mais de 89%
Os ensaios clínicos da vacina Novavax contra a Covid-19 mostraram uma eficácia de 89,3% nos resultados dos testes de fase 3. O anúncio foi feito esta sexta-feira pela empresa de biotecnologia norte-americana num comunicado.

“A NVX-CoV2373 tem o potencial de desempenhar um papel importante na solução desta crise de saúde pública global”, refere o administrador da empresa, Stanley Erck.

No comunicado pode ler-se que “os ensaios clínicos, conduzidos no Reino Unido, envolveram 15 mil pessoas com idades entre 18 e 84 anos, 27% das quais tinham mais de 65 anos” e que “a primeira análise interina foi baseada em 62 casos de Covid-19, dos quais 56 foram observados no grupo de placebo, contra seis casos entre aqueles que receberam a vacina NVX-CoV2373”.

A análise preliminar da empresa indica que a variante identificada pela primeira vez na Inglaterra, B.1.1.7, foi detetada em mais de 50% dos casos confirmados.

“A eficácia da vacina por cepa do coronavírus foi estimada em 95,6% contra a cepa original e em 85,6% contra a variante que apareceu no Reino Unido”, explica a empresa, em nota enviada.

Contudo, acrescenta que “a eficácia parece ser muito menor em um estudo menor conduzido na África do Sul”.

De acordo com a empresa, este último “envolveu pouco mais de 4400 pacientes, de setembro a meados de janeiro, período durante o qual a variante B.1.351 espalhou-se amplamente pela África do Sul”.

A Novavax referiu que “começou a investigar novas vacinas contra variantes emergentes no início de janeiro e espera fazer a triagem de vacinas candidatas ideais nos próximos dias, antes de iniciar os testes clínicos no segundo trimestre”.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas