OMS recomenda vacina da AstraZeneca para pessoas com mais de 65 anos
DATA
11/02/2021 18:30:50
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




OMS recomenda vacina da AstraZeneca para pessoas com mais de 65 anos

O Grupo Consultivo Estratégico de Peritos em Imunização (SAGE) da Organização Mundial de Saúde (OMS) defendeu que a vacina AstraZeneca pode ser administrada a pessoas com mais de 65 anos. A posição foi transmitida em conferência de imprensa, no seguimento de uma reunião do grupo realizada na segunda-feira, para analisar a eficácia da vacina.

Alejandro Cravioto, presidente do SAGE, recomendou que “a vacina fosse administrada a todos os grupos etários (com algumas exceções por falta de informação, como mulheres grávidas), independentemente das variantes que predominem nos países”.

Nas recomendações, provisórias, os peritos da OMS notam que a eficácia da vacina AstraZeneca tende a ser maior quando o intervalo entre a primeira e a segunda dose é mais longo, e sugerem um intervalo entre oito a 12 semanas entre as duas doses.

A OMS recomenda também que não devem ser administradas vacinas diferentes contra a Covid-19. “Deve haver um intervalo de 14 dias entre a vacina da AstraZeneca e qualquer outra vacina comum”, pode ler-se em nota enviada.

O presidente do SAGE reconheceu que nos ensaios da vacina houve um número “relativamente pequeno de participantes com mais de 65 anos, e que houve poucos casos de Covid-19 quer dos que levaram a vacina quer do grupo de controlo, razão pela qual o intervalo de confiança na estimativa de eficácia é muito largo, esperando para breve estimativas de eficácia mais precisas”.

No entanto, a OMS, refere que “as respostas imunitárias induzidas pela vacina em pessoas mais idosas são semelhantes às de outros grupos etários, e os dados indicam que a vacina é segura para pessoas com mais de 65 anos”.

 

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas