Despesa do SNS aumentou 11,3% para 916 ME em janeiro
DATA
25/02/2021 10:33:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Despesa do SNS aumentou 11,3% para 916 ME em janeiro

A despesa no Serviço Nacional de Saúde (SNS) aumentou 11,3% em janeiro deste ano face ao mesmo período de 2020, mais 93 milhões de euros (ME), totalizando 915,9 ME, segundo dados das finanças enviados à Agência Lusa.

Segundo fonte do Ministério das Finanças, “comparando janeiro de 2021 com janeiro de 2020, a despesa do SNS está a crescer a um ritmo recorde de +11,3% / + 93 milhões de euros”.

Os números conhecidos, que antecipam a divulgação da Síntese da Execução Orçamental da Direção-Geral do Orçamento (DGO), revelam que no mês passado “a despesa do SNS totalizou 915,9 ME, com os gastos com pessoal e o material de consumo clínico a contribuírem com maior peso para essa despesa”.

Assinalam ainda que “as despesas com pessoal cresceram 9,9%, com um crescimento recorde do número de profissionais de saúde no SNS: +9.889”, destacando o “número mais elevado de médicos de sempre: +922 face a janeiro de 2021 e +5.275 face a janeiro de 2015”.

Mais de 147 mil profissionais de saúde trabalhavam em janeiro no Serviço Nacional de Saúde (SNS), mais 7,1% do que em março de 2020, quando teve início a pandemia da Covid-19, indicam os dados oficiais divulgados.

De acordo com o Portal da Transparência do Ministério da Saúde, “o SNS tinha ao seu serviço um total de 147.075 profissionais de saúde em janeiro - dos quais 31.406 médicos e 48.739 enfermeiros - mais 9.765 do que em março de 2020”.

Os mesmos dados adiantam que, no mesmo período, “o número de médicos aumentou dos 30.297 para os 31.406, um crescimento de 3,6%, enquanto os enfermeiros no SNS passaram dos 45.639 para os 48.739 (+6,7%)”.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas