Portugal exporta mais de 1000 ME em medicamentos por ano
DATA
02/03/2021 15:09:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Portugal exporta mais de 1000 ME em medicamentos por ano

A Blupharma, farmacêutica portuguesa, indica que Portugal aumentou a exportação de medicamentos de 100 milhões para mais de mil milhões de euros por ano.

“A indústria farmacêutica portuguesa tem dado um contributo excecional, se compararmos o que passava no ano 2000 para o que se passa agora”, disse o presidente da farmacêutica, Paulo Barradas, em comunicado.

Realça ainda que “há 10 anos, os indicadores de inovação, investigação e desenvolvimento em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) era 0,2% e hoje é 1,4%, no qual ponteiam muitas indústrias farmacêuticas como a Bluepharma”, reiterando que “em 20 anos, o mercado dos medicamentos genéricos passou de uma quota de 0,13%, que era praticamente inexistente, para 48,7%, segundo dados do Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde”.

O presidente da farmacêutica sublinha ainda que o mercado dos genéricos “veio trazer à indústria portuguesa uma oportunidade fantástica de colaborar com os doentes, democratizando o consumo, com o Estado, na diminuição da despesa, e indo para fora exportando, terminado o ciclo com investimento em inovação”.

A administração da empresa anunciou que o objetivo é aumentar a produção de 32 milhões de embalagens registadas em 2020 para 40 milhões, mantendo a capacidade de exportação acima dos 85%.

Para atingir estes objetivos, a empresa projetou um plano estratégico de “investimento de cerca de 200 milhões de euros para a próxima década, que inclui a ampliação das atuais instalações, em São Martinho (Coimbra), a construção de uma nova unidade industrial para a produção de formas sólidas orais potentes, em Eiras (Coimbra), e a construção do Bluepharma Park”, pode ler-se em nota enviada.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas