Sucesso dos anticorpos biespecíficos no tratamento do cancro demonstrado em vários estudos
DATA
03/03/2021 09:21:25
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Sucesso dos anticorpos biespecíficos no tratamento do cancro demonstrado em vários estudos

Os anticorpos biespecíficos que se unem simultaneamente aos antígenos tumorais e às células T eliminaram células cancerígenas sem danificar as células saudáveis, de acordo com várias investigações.

Vários relatórios publicados em revistas do grupo Science mostram que há resultados prometedores em relação à engenharia destes anticorpos, que demonstram, pela primeira vez, eficácia contras as células tumorais até agora inacessíveis.

Os resultados demonstram o potencial terapêutico de este tipo de anticorpos que, em oposição às terapias com células imunitárias modificadas, como, por exemplo, as T quiméricas, não têm de ser personalizadas para o paciente em questão, descrevem as publicações da revista.

Vários tratamentos de imunoterapia contra o cancro estão baseados em mutações comuns relacionadas com a doença para que sirvam de antígenos e criem uma resposta imunitária.

Um dos gene mutantes supressores de tumores mais comuns é o P 53 e os autores dos estudos agora divulgados desenharam com êxito um anticorpo específico para o reativar.

Um outro estudo utilizou estes anticorpos contra células T malignas em leucemia e linfomas de células T sem danificar as células saudáveis do mesmo tipo, algo que é difícil de conseguir em imunoterapia contra o cancro.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas