Estudo revela que pandemia afetou deteção e tratamento de cancro em crianças
DATA
04/03/2021 17:13:54
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Estudo revela que pandemia afetou deteção e tratamento de cancro em crianças

Um estudo publicado na revista científica “The Lancet Child & Adolescent Health” revelou que a pandemia teve “um grande impacto” na deteção do cancro em crianças, já que levou a uma “interrupção substancial” dos diagnósticos e tratamentos, especialmente em países considerados em desenvolvimento.

 

Os investigadores incluíram na publicação uma análise às respostas de 311 profissionais de 213 unidades de saúde, de 79 países que integram a Organização Mundial da Saúde (OMS), abarcando o período compreendido entre 22 de junho e 21 de agosto de 2020.

De acordo com o estudo, “esta avaliação permitiu inferir que a pandemia prejudicou em 78% a capacidade das unidades hospitalares na deteção do cancro” e que houve uma redução de recursos e, consequentemente, a sua “dispersão pelos serviços dos hospitais, prejudicando, o diagnóstico e tratamento do cancro”.

“Quase metade das unidades de saúde (43%) declarou ter diagnosticado menos casos de cancro, enquanto 34% informou um aumento no número de pacientes que abandonaram os tratamentos” e “um em cada dez hospitais (7%) teve de encerrar por completo a unidade dedicada aos casos de cancro pediátrico em algum momento, com o período médio de encerramento a corresponder a dez dias”, pode ler-se no relatório.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.