×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
Presidente da APCL recebe distinção “Clinical Achievement Award 2021”
DATA
15/03/2021 14:25:28
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Presidente da APCL recebe distinção “Clinical Achievement Award 2021”
O Presidente da Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL), Manuel Abecasis, foi reconhecido pela European Society for Blood and Marrow Transplantation (EBMT) com o prémio “Clinical Achievement Award 2021” pelas suas contribuições no campo do transplante de células estaminais hematopoéticas.

 

Na comunicação enviada pelo presidente da EBMT, Nicolaus Kroger, ao Presidente da APCL, pode ler-se “a Sociedade tem muito orgulho em reconhecer as suas muitas conquistas no avanço do transplante de células hematopoiéticas do seu país, Portugal”.

“Estou muito feliz por [Manuel Abecasis] ter recebido este prémio porque, sinceramente, é merecido pelo seu compromisso incansável para com a EBMT”, acrescenta.

Manuel Abecasis recebe esta distinção com grande satisfação referindo que “é uma grande honra”. “Fico muito grato pelo reconhecimento por parte dos meus colegas europeus, e considero-o extensivo a toda a equipa que durante tantos anos partilhou do meu entusiasmo pela área da transplantação de medula óssea”, reitera.

Atualmente, o presidente da APCL conta já com variadas distinções, nomeadamente o Prémio SEAT para a Ciência (1987), o Prémio Nacional de Oncologia (1994), a Medalha de Prata por Serviços Distintos do Ministério da Saúde (2007), o grau de Grande Oficial da Ordem de Mérito da República Portuguesa (2010) e a Medalha de Mérito da Ordem dos Médicos (2015).

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.