APMGF e SPP lançam Guia do Sono
DATA
19/03/2021 10:38:06
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



APMGF e SPP lançam Guia do Sono

Para assinalar o Dia Mundial do Sono, que se celebra hoje, 19 de março, a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) e a Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) criaram um guia de Avaliação do Sono como Sinal Vital. Assim, preconizam que Abordar, Aconselhar e Ajudar são os três A que devem ser aplicados na avaliação do sono como sinal vital em todas as consultas, nomeadamente no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários.

“Os distúrbios do sono são muito frequentes na prática clínica diária e associam-se a muitas outras patologias. São disso exemplos a insónia crónica grave, que atinge cerca de 9% da população, e a síndrome de apneia obstrutiva do sono, cujo tratamento tem impacto na evolução e prognóstico das doenças associadas”, explica o presidente da APMGF, Nuno Jacinto.

Em cada consulta, devem ser avaliados os hábitos do sono e, para isso, existem cinco perguntas que podem orientar a marcha diagnóstica.

“Perguntas simples como ‘Dorme bem?’; ‘Tem dificuldade em adormecer ou manter o sono?’; ‘Quantas horas dorme?’; ‘De manhã tem a sensação de que o seu sono é reparador?’. Estas perguntas ajudam a identificar de forma simples se existe alguma privação do sono ou alguma perturbação do sono, esta abordagem rápida permite dar início à marcha diagnóstica”, sublinha, por sua vez, Sílvia Correia, da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono da SPP.

De acordo com a APMGF e a SPP, após a abordagem inicial, deve ser salientada a importância do sono como um dos pilares para uma vida saudável. “Devem ser recomendadas medidas para uma boa higiene do sono, como manter horários regulares, evitar a exposição aos ecrãs antes de ir dormir e evitar o consumo de álcool e tabaco”, esclarece a médica de família e membro do Grupo de Estudos de Doenças Respiratórias da APMGF Dyna Torrado.

Acrescenta que “dormir adequadamente reduz as taxas de doenças degenerativas e cardiovasculares” e que, para isso, “todos os doentes devem ser incentivados a ter um sono de qualidade e quantidade adequadas de forma firme e personalizada”.

A coordenadora da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono da SPP, Susana Sousa, alude que, “no caso de respostas positivas ao primeiro A, na abordagem do sono do doente, devem ser aplicadas as ferramentas mais indicadas, como o de Score de Stop-Bang e a Escala de avaliação da sonolência”, reiterando que “ajudar passa também por uma referenciação o mais completa possível de forma a incluir as comorbilidades, a profissão e também os resultados dos questionários obtidos inicialmente”.

Aos médicos de família, deixa uma mensagem final: “Se em todas as consultas avalia a pressão arterial e a pulsação dos seus doentes, então passe a incluir também a avaliação do sono em cada consulta de rotina”.

MGF 2020-30: Desafios e oportunidades
Editorial | Gil Correia
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades

Em março de 2020 vivemos a ilusão de que algumas semanas de confinamento nos libertariam para um futuro sem Covid-19. No resto do ano acreditámos que em 2021 a realidade voltaria. Mas, por definição, a crise é uma mudança de paradigma. O normal mudou. Importa que a Medicina Geral e Familiar se adapte e aproveite as oportunidades criadas. A Telemedicina, a desburocratização e um ambiente de informação, amigável flexível e unificado são áreas que me parecem fulcrais na projeção da MGF no futuro.

Mais lidas