Estudo revela que vacinas são eficazes em grávidas e lactantes
DATA
26/03/2021 09:57:16
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Estudo revela que vacinas são eficazes em grávidas e lactantes
Um estudo de investigadores norte-americanos concluiu que as vacinas com a tecnologia RNA mensageiro (mRNA) são “altamente eficazes” na produção de anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2 em mulheres grávidas e lactantes.

 

“Esta notícia de excelente eficácia da vacina é muito encorajadora para mulheres grávidas e lactantes, que ficaram de fora dos ensaios iniciais da vacina contra a Covid-19”, disse a coautora do estudo, Andrea Edlow, citada num comunicado sobre o estudo divulgado.

Para a especialista em medicina materno-fetal e diretora do Edlow Lab no Centro Vincent de Biologia Reprodutiva, “preencher as lacunas de informação com dados reais é fundamental”, frisa.

O estudo, publicado no boletim científico American Journal of Obstetrics and Gynecology, demonstra também que as vacinas mRNA, como a da Pfizer/BioNTech e a da Moderna, “conferem imunidade protetora aos recém-nascidos através do leite materno e da placenta”.

Da análise feita a 131 mulheres em idade reprodutiva, 84 grávidas, 31 lactantes e 16 não grávidas, que receberam uma das vacinas com mRNA, foi possível concluir que “os efeitos secundários após a vacinação foram raros e comparáveis entre as participantes no estudo”.

Na nota divulgada é destacado que “os anticorpos gerados pela vacinação também estiveram presentes em todas as amostras de sangue do cordão umbilical e de leite materno usadas no estudo, mostrando a transferência de anticorpos das mães para os recém-nascidos”.

“Temos agora provas claras de que as vacinas contra a Covid-19 podem induzir imunidade que irá proteger os bebés”, salienta outra das coautoras do estudo e investigadora do Instituto Ragon, Galit Alter, também citada na nota de imprensa.

Segundo o mesmo estudo, os “níveis de anticorpos de mucosa (IgA) após a segunda dose são mais elevados com a vacina da Moderna, em comparação com o medicamento da Pfizer”.

"Esta descoberta é importante para todos os indivíduos, uma vez que a SARS-CoV-2 é adquirida através de superfícies de mucosa como o nariz, boca e olhos”, destaca a primeira autora do estudo e obstetra do Brigham and Women's Hospital, Kathryn Gray.

Nas vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna é introduzido no corpo um mensageiro de ácido ribonucleico (mRNA na sigla em inglês), que contém informação genética sobre o vírus que “dá instruções” ao organismo para a produção de anticorpos.

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: