SNS24 atendeu mais do dobro de chamadas no 1.º trimestre deste ano face a 2020
DATA
01/04/2021 11:11:16
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



SNS24 atendeu mais do dobro de chamadas no 1.º trimestre deste ano face a 2020

A Linha SNS24 atendeu nos primeiros três meses deste ano mais de 1,6 milhões de chamadas, mais do dobro do verificado em igual período de 2020, disse à agência Lusa o presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), Luís Goes Pinheiro.

 

De acordo com o mesmo, no primeiro trimestre de 2020, que inclui o mês de março, quando começou a pandemia em Portugal, foram atendidas cerca de 700 mil chamadas. “O número de chamadas no primeiro trimestre de 2021 para a Linha SNS24 ultrapassa largamente todo o ano de 2019 em que foram atendidas 1.485.000 chamadas”, indica.

Em janeiro deste ano, a Linha SNS recebeu quase 1.100.000 chamadas e em março atendeu cerca de 180 mil.

“Estamos como números cinco vezes abaixo daqueles que tínhamos em janeiro”, observou, salientando que a linha com a pandemia ganhou uma flexibilidade que não tinha “de se adaptar à procura, mantendo o nível de serviço tendencialmente sempre bom ou muito bom, apesar das flutuações bruscas de procura”.

Neste momento, a Linha SNS 24 está também a emitir requisições para os contactos de baixo risco, “uma mudança relativamente recente e que veio em resposta à nova estratégia no que respeita à testagem”.

Para Luís Goes Pinheiro, o SNS 24 - Centro de Contacto do Serviço Nacional de Saúde “foi e continua a ser uma peça absolutamente crucial em toda a pandemia”. “Não só porque permitiu encaminhar as pessoas, casos suspeitos ou casos suspeitos de contacto com pessoas com covid-19, como durante a maior parte do tempo emitiu requisições para testes à covid-19”, reiterou.

A linha em 2020, atendeu mais de quatro milhões de chamadas, às quais se somam agora mais 1,6 milhões, adiantou o responsável, considerando que, com estes números, “fica bem demonstrado a importância do SNS 24 durante a pandemia”.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.