Novo modelo da proteína do vírus indica vulnerabilidades úteis para vacinas contra Covid-19
DATA
05/04/2021 10:29:34
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Novo modelo da proteína do vírus indica vulnerabilidades úteis para vacinas contra Covid-19

Um novo modelo detalhado da proteína da espícula do SARS-CoV-2, a porta de entrada do coronavírus nas células humanas, revela vulnerabilidades que podem ser úteis no desenvolvimento de novas vacinas contra a Covid-19.

Em comunicado à Agência Lusa, a editora da PLOS Computational Biology, revista científica de acesso aberto que publicou o estudo, refere que “ao combinarem simulações da dinâmica molecular da proteína da superfície do SARS-CoV-2 com análise bioinformática, os autores do trabalho identificaram novos pontos na superfície da proteína da espícula que são menos protegidos pelas cadeias de moléculas de açúcar (glicanos) que a revestem”.

Sublinha ainda que os glicanos da proteína da espícula “atuam como um escudo dinâmico que ajuda o vírus a escapar ao sistema imunológico humano”.

Segundo o investigador Mateusz Sikora, do Instituto Max Planck de Biofísica, na Alemanha, o modelo “pode apoiar projetos de novas vacinas e tratamentos de anticorpos contra a Covid-19, doença respiratória causada pelo SARS-CoV-2, numa altura em que surgem variantes com mutações concentradas sobretudo na proteína da espícula”.

As vacinas em circulação contra a Covid-19 têm como alvo principal “a proteína da espícula, que permite ao novo coronavírus (tipo de vírus) entrar e replicar-se nas células humanas gerando a infeção”.

De acordo com os autores do estudo, o modelo dinâmico criado poderá ser usado para identificar eventuais vulnerabilidades de outras proteínas virais.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas