INE destaca contributo dos hospitais privados para a saúde dos portugueses
DATA
07/04/2021 09:34:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



INE destaca contributo dos hospitais privados para a saúde dos portugueses

Os dados estatísticos oficiais sobre o setor da saúde que o Instituto Nacional de Estatística (INE) lançou, revelam um aumento significativo, em diversos indicadores, do contributo dos hospitais privados para a saúde dos portugueses.

Em nota enviada, o INE refere que os hospitais privados “registaram um crescimento do número de camas de internamento nas duas últimas décadas (mais 3 mil camas em 2019 que em 1999), que representa um contributo para assegurar a resposta hospitalar do país”.

O estudo conclui “que há uma tendência de expansão de hospitais privados nos últimos anos” e que em 2019, “estavam em funcionamento 127 hospitais privados, mais 8 que em 2018 e mais 25 que em 2010”.

O INE registou ainda que foi nos hospitais privados que a atividade mais cresceu entre 1999 e 2019, “verificando-se um reforço do peso relativo do setor privado ao nível das consultas médicas (de 15,6% para 37,3%), das cirurgias (de 22,4% para 29,8%), dos internamentos (de 15,3% para 24,1%) e dos atendimentos em serviço de urgência (de 4,2% para 17,3%)”.

Para o presidente da Associação Portuguesa Da Hospitalização Privada (APHP), Óscar Gaspar, estes novos dados “reforçam a evidência da participação dos hospitais privados no sistema português de saúde, ao mesmo tempo que dão mais responsabilidade para o futuro”.

“Os portugueses podem contar com o investimento e a disponibilidade dos hospitais privados, nomeadamente para esta fase de recuperação assistencial necessária para fazer face aos efeitos da Covid-19”, conclui.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas