SPG lança campanha de sensibilização para doenças do fígado
DATA
13/04/2021 10:00:31
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



SPG lança campanha de sensibilização para doenças do fígado

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) lançou a campanha “Cuide do seu fígado”, com o objetivo de sensibilizar, informar e prevenir a população sobre as doenças do fígado. Esta iniciativa, realizada em parceria com a Europacolon Portugal e a Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado, conta com o apoio da Roche.

A campanha, materializada em vídeo, pretende sensibilizar a população sobre as funções do fígado, em especial para a função digestiva e metabólica, bem como para os hábitos a adotar para um bom funcionamento deste órgão essencial, tais como alimentação saudável, prática de desporto e consultas regulares ao gastrenterologista.

Em comunicado, o presidente da SPG, Rui Tato Marinho, esclarece que “as doenças do fígado são responsáveis pela morte de mais portugueses do que se pensa e afetam pessoas muito novas. A idade média das pessoas que são internadas já com situação muito grave é de 58 anos” e acrescenta que “estas doenças afetam não só o doente, mas também a família e a sociedade em geral”. 

Segundo a SPG, mais de 830 mil pessoas morreram no ano passado vítimas de cancro do fígado e foram diagnosticados 900 mil novos casos, sendo a sétima causa de morte na Europa. Em Portugal é a quinta causa de morte precoce e todos os anos surgem cerca 1000 a 2000 novos casos de cancro e realizam-se cerca de 250 transplantes de fígado.

É estimado que cerca de 10 a 40% das pessoas com cirrose venham a desenvolver cancro do fígado ao fim de 10 anos, tendo como principais causas o consumo excessivo de álcool, hepatite C e o excesso de peso. Esta última causa, juntamente com a diabetes e o excesso de colesterol levam à acumulação de gordura no fígado. Este excesso de gordura chama-se “esteatose” que poderá “levar a que o fígado fique inflamado”.

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia acredita que com o aumento da obesidade infantil, o impacto das doenças do fígado vai ser “bem mais grave”.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.