Investigadores portugueses criam programa para ajudar a lidar com a dor crónica
DATA
13/04/2021 11:53:47
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Investigadores portugueses criam programa para ajudar a lidar com a dor crónica

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveu o programa inovador “iACTwithPain”, destinado a pessoas com dor crónica, que pretende ajudar na gestão da dor e melhorar a qualidade de vida dos portadores da doença.

Este programa, desenvolvido por investigadores do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC) e do Instituto de Sistemas e Robótica, da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação (FPCEUC) e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), tem como objetivo “promover o desenvolvimento de competências de autogestão da dor e de autorregulação emocional, de modo a diminuir o impacto da dor e a melhorar a qualidade de vida das pessoas que sofrem desta patologia”, conforme nota da UC.

Contextualizando o tema, este problema de saúde afeta cerca de 37% da população portuguesa, estando presente em diversos problemas psicológicos e quadros clínicos, como a ansiedade e depressão.

“A intervenção é constituída por 8 módulos, de cerca de 20 minutos de duração cada, disponibilizados uma vez por semana. Os participantes são orientados, ao longo da intervenção, mediante o recurso a vídeos explicativos e animados ou com os próprios terapeutas (ou os seus avatares) em tópicos relacionados com a gestão da dor e das respostas emocionais e cognitivas associadas, através da prática de exercícios experienciais e meditativos guiados”, descreve a coordenadora do projeto, Paula Castilho.

No final de cada módulo é sugerida a prática de exercícios relacionados com o tema abordado, bem como o preenchimento de um questionário sobre a sessão. Paula Castilho sublinha que a progressão no programa depende da conclusão de cada módulo, sendo necessária uma prática contínua e comprometida.

Neste momento, de forma a validar a eficácia do programa, a equipa de investigadores está a pedir a colaboração de pessoas com diagnóstico de dor crónica nos últimos três meses, com idades compreendidas entre os 18 e os 50 anos, que tenham acesso à internet e que não estejam envolvidas em nenhuma outra forma de intervenção psicológica para a doença.

“Pretendemos testar a eficácia de determinados componentes e estratégias terapêuticas e o seu contributo diferencial na gestão emocional e da dor. O iACTwithPain conta com a vantagem de ter um formato online, possibilitando o acesso generalizado da população a uma intervenção promotora da saúde (eHealth), aspeto ainda mais relevante pelas circunstâncias atuais decorrentes da crise pandémica. Deste modo, as pessoas podem efetuar a intervenção ao seu próprio ritmo, no seu ambiente natural e de acordo com as suas necessidades”, conclui a coordenadora do projeto.

No fim do estudo, cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), os participantes selecionados terão a possibilidade de usufruir integralmente do programa iACTwithPain.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.