Covid-19: Mais de 1,5 milhões com a primeira dose e 630 mil com vacinação completa
DATA
14/04/2021 09:59:13
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Mais de 1,5 milhões com a primeira dose e 630 mil com vacinação completa

A Direção-Geral da Saúde (DGS) revelou que mais de 1,5 milhões de pessoas já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 e cerca de 630 mil têm a vacinação completa, o equivalente a 6% da população.

De acordo com o relatório semanal da DGS sobre a vacinação, “1.588.315 portugueses já foram vacinados com a primeira dose, 252.568 dos quais na última semana, o que representa 15% da população”.

Com a vacinação completa estão agora 632.242 pessoas, 52.028 das quais receberam a segunda dose na última semana.

No que diz respeito aos grupos etários, “90% dos idosos com mais de 80 anos (606.919 pessoas) já foram vacinados com a primeira dose da vacina e 51% (344.738) já têm a vacinação completa contra o vírus SARS-CoV-2”, sendo que o “segundo grupo mais vacinado é o das pessoas entre os 65 e os 79 anos, com 27% (436.576) já com a primeira dose, percentagem que baixa para apenas 3% no que se refere à toma das duas doses (56.003)”.

Segundo a DGS, em nota enviada, “12% das pessoas da faixa etária entre 50 e os 64 anos (267.454) também já receberam a primeira dose e 4% dos portugueses deste escalão etário (83.574) receberam as duas tomas previstas na vacinação”.

Por regiões, os dados da DGS indicam que o Norte continua a liderar o número de vacinas administradas, com um total de 722.267, seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo (711.939), o Centro (464.527), o Alentejo (141.935), o Algarve (82.073), a Madeira (60.014) e os Açores (35.243).

Quanto à cobertura vacinal, 10% da população do Alentejo já tem a vacinação completa, seguindo-se o Centro (9%), a Madeira (7%) e o Norte, Lisboa e Vale do Tejo e Algarve e os Açores, todas com 5%.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas