EMA analisa medicamento para tratar doentes com Covid-19 e reduzir hospitalizações
DATA
16/04/2021 10:04:07
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



EMA analisa medicamento para tratar doentes com Covid-19 e reduzir hospitalizações

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) anunciou que está a analisar os dados sobre a utilização do anticorpo monoclonal VIR-7831 no tratamento da Covid-19, para apoiar os países na decisão sobre o uso deste medicamento.

Em comunicado, a EMA refere que “está a iniciar esta revisão para apoiar as autoridades nacionais que podem decidir sobre o uso deste medicamento para a Covid-19 antes da sua autorização de introdução no mercado”.

Sublinha ainda que “esta análise incluirá os dados de um estudo que compara os efeitos deste anticorpo com o de um tratamento simulado (placebo) em doentes infetados com o SARS-CoV-2 com sintomas leves a moderados, mas que apresentavam um alto risco de evolução grave da doença”.

O medicamento foi projetado para se ligar “à proteína `spike´ do SARS-CoV-2, limitando a capacidade do vírus de entrar nas células do corpo”, e os especialistas esperam que, desta forma, “possa reduzir a necessidade de hospitalização em pessoas infetadas pelo novo coronavírus”, pode ler-se em nota enviada.

“Os resultados preliminares indicam que o VIR-7831 reduziu o risco de hospitalização por mais de 24 horas ou de morte em 85% em comparação com o placebo”, adiantou ainda.

O Comité de Medicamentos Humanos (CHMP) da EMA vai estudar como o medicamento evita a hospitalização e a morte em pacientes com Covid-19 não hospitalizados e que não requerem o uso de oxigénio, bem como os dados sobre a sua qualidade e segurança.

“Embora se preveja o início de uma análise mais abrangente antes de um possível pedido de autorização de introdução no mercado, esta revisão fornecerá recomendações a todas as autoridades nacionais da União Europeia, que, assim, podem tomar decisões baseadas em evidências sobre o uso precoce do medicamento”, finalizou a entidade reguladora.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas