MOVA reforça importância da vacinação antipneumocócica
DATA
26/04/2021 09:44:00
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


MOVA reforça importância da vacinação antipneumocócica

O Movimento Doentes pela Vacinação (MOVA) reforçou a importância da vacinação antipneumocócica, defendendo que, além da proteção individual que confere, a imunização é um investimento em saúde pública e uma preocupação que deve ser tida ao longo da vida.

Na Semana Europeia da Vacinação, o MOVA, composto por especialistas e associações de doentes, alertou que a pneumonia é uma doença que mata cerca de 16 pessoas por dia, uma a cada 90 minutos em Portugal, segundo dados do “Pneumoscópio”. Por esse motivo, é importante apostar na prevenção, especialmente de “grupos de risco como pessoas a partir dos 65 anos e quem, independentemente da sua idade, sofre de doenças crónicas”, conforme comunicado enviado.

 O movimento defende que a vacinação representa “ganhos quantitativos e qualitativos, transversais à sociedade”, podendo ser feita em qualquer altura do ano.

A vacinação antipneumocócica está recomendada pela Direção Geral da Saúde (DGS) a todos os adultos pertencentes aos grupos de risco (pessoas com doenças crónicas como diabetes, asma, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), outras doenças respiratórias crónicas, doença cardíaca, doença hepática crónica, doentes oncológicos, portadores do vírus da imunodeficiência humana (VIH) e doentes renais. Esta vacina é gratuita para as crianças e alguns segmentos de adultos, para quem já se encontra em PNV, e é comparticipada pelo estado em 37% para a restante população, estando a sua eficácia comprovada em todas as faixas etárias, incluindo na prevenção das formas mais graves da doença.

Seja através do plano nacional de vacinação (PNV) ou de vacinas recomendadas por médicos assistentes, o MOVA defende que a prevenção de doenças graves deve ser uma prioridade em todas as faixas etárias, podendo evitar “mortes, morbilidades e sequelas”.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.