Roxall: No top 3 das companhias na área de investigação e comercialização de soluções para a doença alérgica
DATA
08/06/2021 11:42:42
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Roxall: No top 3 das companhias na área de investigação e comercialização de soluções para a doença alérgica

Prestes a colocar no mercado o primeiro tratamento no mundo contra a picada da vespa velutina, a Roxall orgulha-se de, há mais de 70 anos, comercializar e investigar soluções inovadoras e únicas para tratar a doença alérgica. Ao Jornal Médico, Luís Silva, country e marketing manager de Portugal e Espanha, destacou o “enorme compromisso da Roxall com a Imunoalergologia” e adiantou que a farmacêutica “está a dar passos muito significativos no caminho da ciência molecular”.

“A Roxall é uma empresa internacional que está focada, exclusivamente, no tratamento das doenças alérgicas, no desenvolvimento de novos extratos, e, portanto, na busca de novas soluções para tratar a doença alérgica”, começou por contar Luís Silva, salientando que se trata de uma empresa cuja história começou há mais de 70 anos e que, atualmente, tem instalações em três continentes: América, Europa e Ásia.

Mais recentemente, em 2012, foi construída de raiz uma fábrica nova, no Parque Tecnológico de Zamudio, em Bilbau, Espanha, que, segundo o country manager, “é uma das fábricas de imunoterapia mais recentes do mundo, tendo sido possível incluir a mais recente tecnologia para a produção e desenvolvimento destes tratamentos”. Por esse motivo, é em Zamudio que a Roxall produz quase todo o tipo de tratamentos e de diagnósticos que comercializam.

Embora a estrutura desta nova fábrica seja necessariamente muito automatizada, esta emprega cerca de 130 pessoas, sendo que, “a maioria está afeta às áreas da Investigação e do Controlo da Qualidade”.

O compromisso e a missão da Roxall com a Imunoalergologia são outro aspeto salientado por Luís Silva, que a aponta como uma das empresas líderes mundiais. Neste contexto, observou: “Há poucas empresas de imunoterapia no mundo – são pouco mais de uma dezena – e a Roxall está no pódio, no top 3 das grandes companhias nesta área de investigação e de comercialização de soluções para a doença alérgica”. O foco está na investigação e no desenvolvimento de novas soluções terapêuticas que “sejam cada vez mais cómodas de administrar, cada vez mais eficazes e mais adequadas à dessensibilização da patologia da doença alérgica”.

Com os conceitos desenvolvidos pela Roxall para a imunoterapia específica foi possível simplificar muito o tratamento das alergias. Esse conhecimento resulta como referiu o responsável, “de toda a experiência que se foi adquirindo, do feedback recebido pelos médicos e doentes, colocando o foco quer no desenvolvimento de novas soluções, quer das soluções já existentes, de forma a se conseguir otimizar os tratamentos para melhor se ajustarem às necessidades sentidas”. Num balanço positivo, refere que, nos últimos anos, têm conseguido colocar no mercado novos extratos ou extratos já existentes, mas que foram otimizados, melhorados e transformados para conseguir melhores resultados ou para serem mais bem tolerados pelos doentes”.

Além disso, “todos os anos temos novidades para médicos e doentes”, reforçou Luís Silva, avançando que “a companhia vai lançar no mercado, a nível mundial, um extrato da vespa velutina – vespa asiática –, uma vespa invasora, que tem ocupado a Península Ibérica de uma forma exponencial e que constitui, atualmente, uma preocupação muito grande, quer para os médicos que tratam os doentes alérgicos aos venenos de himenópteros, quer para os doentes, sobretudo apicultores pela exposição e risco. “Vamos ser, a partir do próximo mês, o único laboratório a nível mundial que vai disponibilizar um tratamento para os doentes que foram picados e que são sensíveis à vespa velutina”, frisou.

Três produtos-estrela são imagem de marca da Roxall

Do portefólio da farmacêutica “fazem parte três produtos-estrela, que são a imagem de marca da empresa e que representam o grosso da nossa faturação”. O primeiro deles é o Clustoid, uma vacina polimerizada com um tratamento de iniciação muito rápido – conseguido em apenas meia hora, ao contrário de algumas terapêuticas, mais convencionais, em que é necessário um mês ou mais – seguido de uma injeção a cada mês. “O Clustoid é realmente um dos produtos-estrela da companhia, quer pela quantidade de extratos polimerizados que disponibiliza, quer pela facilidade de utilização e eficácia conseguida”, defende o country e marketing manager. Outro produto de sucesso é o Poliplus, também uma vacina polimerizada que “consegue dar ao doente os mesmos extratos que este necessitaria, mas sem o efeito diluição”.

Por fim, o responsável destacou os venenos, outro produto-estrela. “Até agora, tínhamos três venenos disponíveis para himenópteros e o nosso quarto veneno vai ser o primeiro e único em todo o mundo para a vespa velutina”, recorda, acrescentando que “a Roxall não está dependente de terceiros para poder produzir as suas vacinas de venenos de himenópteros”. “O veneno já é recolhido internamente, somos nós que o purificamos e conseguimos controlar todo o processo”, salientou.

Mas a inovação não se fica por aqui, pois segundo Luís Silva, “a Roxall está a dar passos muito significativos no caminho da ciência molecular, da alergia molecular”, sempre com o objetivo de “uma melhor compreensão das doenças alérgicas e imunológicas”.

Por isso, se, há uns anos, tinha uma parte muito importante de investigação na área da engenharia recombinante, agora, a grande aposta é na produção de proteínas purificadas, tendo conseguido obter uma proteína purificada, que é também polimerizada, “que permite utilizar o mesmo esquema de administração que todas as nossas vacinas polimerizadas”.

Sobre o lançamento da Modigoid, que ocorreu em 2020, salienta: “Uma vacina que consiste numa proteína purificada de alternaria alternata, na qual foi apenas colocado o alergénio que mais nos interessa (neste caso o Alt a 1), sendo possível conseguir dar uma quantidade muito grande dessa proteína, superior a todas as outras que estão no mercado, porque além de purificar a proteína, conseguiu-se fazer a polimerização, de forma a poder ser administrada ao doente em maior quantidade, com mais comodidade e com uma maior segurança”. 

“Estamos a preparar tudo para colocar no mercado mais uma proteína purificada e polimerizada, que será a Cup a 1, de Cupressus arizonica, mas temos na calha, no nosso pipeline, mais uma série de proteínas que vamos purificar, polimerizar e lançar no mercado se possível anualmente”, antecipou Luís Silva.

“Temos uma tradição muito grande em apoiar a investigação”

A Roxall está também empenhada no apoio a todas as campanhas, ações e investigação que tenham como foco o doente, seja junto de associações de doentes e universidades ou da população. “Temos uma tradição muito grande em apoiar a investigação, pois há muitos anos que temos parcerias com a SPAIC - Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica, seja através dos Prémios Roxall/SPAIC, seja mais recentemente com o patrocínio da Bolsa de Investigação Clínico-Laboratorial Palma Carlos, à qual nos associámos na primeira hora, e que visa estimular e apoiar trabalhos de investigação ao nível internacional”, sublinhou. A Roxall tem, por isso, “estabelecido todos os anos parcerias, quer com a SPAIC, quer com a SPAP - Sociedade Portuguesa de Alergologia Pediátrica, em projetos de investigação diversos, além dos ensaios clínicos que vai desenvolvendo em muitos países do mundo e que contam com a colaboração e diversas universidades e de serviços médicos”.

Numa perspetiva de futuro, aponta que o principal objetivo da Roxall é “continuar a desenvolver e a investigar novas soluções”, até porque “o trabalho não está feito e que isto é apenas o início”.

“Sabemos que não podemos estar parados e que se queremos continuar a ter um produto inovador, de maior qualidade, mais ajustado para o tratamento, mais cómodo para o doente, temos de continuar a investigar, colocando aí um foco muito grande, bem como no alocar de muitos recursos à área da investigação, porque uma empresa desta área só consegue sobreviver e crescer se tiver regularmente produtos inovadores para colocar no mercado e responder às necessidades que são crescentes e que nos desafiam no dia a dia desta nossa atividade”, concluiu o responsável.

Um contributo para a melhorar a qualidade de vida dos doentes

A Roxall é uma empresa farmacêutica alemã com atividade a nível internacional. As atividades principais são o desenvolvimento, a produção e a distribuição de produtos para as áreas da Alergologia, Imunologia e Medicina de Urgência.

Com os conceitos desenvolvidos pela Roxall para a imunoterapia específica foi possível simplificar muito o tratamento de alergias. A imunoterapia Cluster permite, assim, um rápido tratamento injetável e mais conveniente para o doente. Com o tratamento Sublingual, os próprios doentes podem realizar a terapia, comodamente em casa.

Para o diagnóstico, a Roxall dispõe de uma gama alargada de extratos de elevada qualidade e que são uma ferramenta indispensável na caracterização dos doentes com indicação para estes tratamentos.

Por último, mas não menos importante, o trabalho do nosso Laboratório de Aplicações onde um dos nossos Investigadores, Borja Bartolomé, presta um apoio direto a dezenas de médicos anualmente, na identificação de novas fontes alergénicas.

MGF 2020-30: Desafios e oportunidades
Editorial | Gil Correia
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades

Em março de 2020 vivemos a ilusão de que algumas semanas de confinamento nos libertariam para um futuro sem Covid-19. No resto do ano acreditámos que em 2021 a realidade voltaria. Mas, por definição, a crise é uma mudança de paradigma. O normal mudou. Importa que a Medicina Geral e Familiar se adapte e aproveite as oportunidades criadas. A Telemedicina, a desburocratização e um ambiente de informação, amigável flexível e unificado são áreas que me parecem fulcrais na projeção da MGF no futuro.

Mais lidas