Psoríase e impacto psicossocial, um tema para ouvir e voltar a ouvir
DATA
02/07/2021 09:32:52
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Psoríase e impacto psicossocial, um tema para ouvir e voltar a ouvir

“Nós sabemos que pele e sistema nervoso central estão profundamente ligados, aliás é uma ligação que vem desde o desenvolvimento embrionário e realmente há uma relação bidirecionária entre estes dois elementos, porque nós sabemos que a vivência do doente com psoríase se associa claramente a stress, ansiedade e depressão”.

A declaração é de Joana Cabete que participou no primeiro episódio do Podcast Skin Partners, uma iniciativa do Jornal Médico com o apoio da LEO Pharma que dá voz à pele.

A conversa congregou a visão de Joana Cabete, dermatologista do Hospital de Santo António dos Capuchos, e Gustavo Jesus, psiquiatra e diretor clínico do Centro PIN e assistente hospitalar no Centro Hospitalar Lisboa Central. O fio condutor foram as doenças de pele autoimunes, nomeadamente a psoríase e o impacto psicossocial desta doença.

Tendo em conta que a psoríase consiste numa doença inflamatória da pele dermatopsíquica na medida em que alterações da componente psicológica como o stress e ansiedade podem determinar as caraterísticas e evolução da doença, como fatores desencadeantes ou de agravamento.

“Qualquer depressão mesmo aquela que não é relacionada com a psoríase, também tem um componente inflamatório, é um conhecimento que nós temos cada vez mais vindo a apurar nos últimos anos, que é a depressão ser uma doença inflamatória”, explicou Gustavo Jesus.

Os doentes com psoríase sofrem com sensações de discriminação, inadequação e insatisfação quanto à sua aparência física. Receiam ser isolados, rejeitados e abandonados, e sentem a exclusão como falta de reconhecimento, no sentido da aceitação da sua identidade. Este padrão psicológico, acrescido da própria constituição da personalidade, baseada numa imagem corporal debilitada pela doença, pode também influenciar na capacidade de autoaceitação e satisfação pessoal do indivíduo.

Ouça aqui o episódio na íntegra.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas