Portugal quase na cauda da Europa na resposta a doentes não-COVID
DATA
02/07/2021 11:57:51
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Portugal quase na cauda da Europa na resposta a doentes não-COVID

Um relatório da Fundação Europeia para a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho (EUROFOUND) assinala que, desde o início da pandemia, 21% dos europeus faltou a (ou viu ser adiada) pelo menos uma consulta ou tratamento. Os países com maiores taxas de atos médicos prejudicados na União Europeia são a Hungria (36%), Portugal (34%) e a Letónia (29%).

De acordo com o reporte do EUROFOUND, a sobrecarga do Serviço Nacional de Saúde (SNS) teve outro impacto: “a incapacidade de responder às necessidades da população com (…) patologias não-COVID, tal como a Ordem dos Médicos (OM) tem vindo a alertar insistentemente.

Portugal é ainda, de acordo com aquele relatório, o quarto país onde mais pessoas pretendem ser vacinadas, atrás da Irlanda, Dinamarca e Malta. Ultrapassa os 80% a percentagem de portugueses que considera “muito provável” ou pelo menos “provável” ser vacinados. E apenas 11% sinaliza o inverso: “pouco provável” ou “nada provável” isso acontecer.

Os dados do relatório em análise foram recolhidos entre fevereiro e março, meses em que Portugal cumpriu mais um período de confinamento.

Aceda ao relatório aqui

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas