COVID-19: APMGF preocupada com falta de meios para acelerar vacinação
DATA
07/07/2021 11:34:27
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



COVID-19: APMGF preocupada com falta de meios para acelerar vacinação

Pese embora toda a boa vontade dos médicos de família e restantes profissionais dos cuidados de saúde primários, é patente a ausência de meios para reforçar o processo de vacinação contra a COVID-19 e, em simultâneo, responder a todas as necessidades da população. Este é o diagnóstico feito pelo presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF), Nuno Jacinto.

"A nível dos centros de saúde, dos cuidados primários, estes meios continuam a ser insuficientes para todas as tarefas que temos em mãos. Para a vacinação, agora, que é a tarefa que nos tem ocupado grande parte do tempo”, mas igualmente, sublinha Nuno Jacinto, “a testagem, para os rastreios, para o acompanhamento de doentes suspeitos ou positivos, que também tem de continuar a ser feito." O responsável faz eco da sua preocupação num momento em que se "tenta retomar a atividade não-COVID e o seguimento de todos os outros doentes que continuam a existir".

“As equipas estão no limite das forças, e a hipótese de abdicarem das férias não foi bem recebida”, salienta, ainda, o presidente da APMGF, relevando que os profissionais de saúde estão "muitíssimo preocupados".

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas