Dermatite Atópica na idade pediátrica: Volte a ouvir esta conversa
DATA
09/07/2021 09:18:36
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Dermatite Atópica na idade pediátrica: Volte a ouvir esta conversa

“No que diz respeito às causas de dermatite atópica elas são sobretudo uma interação entre fatores genéticos e fatores ambientais. Eu não diria que as causas são a asma, os antecedentes pessoais ou familiares, isso não são causas, são associações, as causas são uma determinação genética, a interação dinâmica com fatores ambientais”.

Quem o diz é Maria João Paiva Lopes que participou no segundo episódio do Podcast Skin Partners, uma iniciativa do Jornal Médico com o apoio da LEO Pharma que dá voz à pele.

Esta conversa contou com a participação de Maria João Paiva Lopes, responsável de Dermatologia Pediátrica no Hospital D. Estefânia, e Ana Isabel Cordeiro, pediatra no Hospital D. Estefânia, em Lisboa.

A dermatite atópica é uma doença inflamatória crónica da pele, que surge habitualmente durante a infância, afetando aproximadamente 20% das crianças ou adolescentes, pelo que é uma das doenças cutâneas mais comuns.

Na maioria dos casos, a dermatite atópica tende a melhorar ou desaparecer com a idade. Porém, há situações em que poderá permanecer por toda a vida.

“É muito importante os pais terem um diagnóstico correto de dermatite atópica porque muitas vezes (…) é importante excluir outras manifestações, outras patologias que podem parecer um eczema e que na verdade não são uma dermatite atópica (…). O diagnóstico é clínico e é muito importante o dermatologista fazer um diagnóstico correto”, reiterou Ana Isabel Cordeiro.

Apesar da sua causa não ser ainda totalmente clara, estão já identificadas algumas causas da dermatite atópica, nomeadamente a história pessoal ou familiar de asma ou dermatite atópica, alergias sazonais ou rinite alérgica.

Ouça aqui o episódio na íntegra.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas