COVID-19: OMS alerta para ritmo arrasador da variante Delta
DATA
13/07/2021 12:49:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



COVID-19: OMS alerta para ritmo arrasador da variante Delta

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou para o ritmo arrasador da variante Delta da COVID-19, a nível mundial, antevendo-se para breve como a estirpe dominante a circular nos vários continentes.

“A [variante] Delta está agora em mais de 104 países (…)”, disse o diretor-geral em conferência de imprensa online.

Tedros Adhanom Ghebreyesus deu nota de que a semana passada foi a quarta consecutiva com aumento de casos e mortes por COVID-19 à escala global. Frisou, ainda, que os hospitais estão a atingir o limite da sua capacidade e o mundo encontra-se no meio de uma pandemia crescente de duas faces, com diferenças cada vez maiores entre países.

Com a variante Delta a espalhar-se rapidamente em países com elevada cobertura vacinal, naqueles onde as vacinas não chegam, a situação é muito preocupante, adianta Tedros Adhanom Ghebreyesus. E concretiza: “O mundo está a observar em tempo real como o vírus COVID-19 continua a mudar e a tornar-se mais transmissível. A minha mensagem de hoje é que estamos a passar por uma emergência de saúde pública cada vez mais grave que ameaça ainda mais vidas, meios de subsistência e uma sólida recuperação económica global”.

Apesar do aumento da prevalência da variante Delta, mais transmissível, responsáveis da OMS reiteram a eficácia das vacinas face à COVID-19, evitando hospitalizações e mortes. No entanto, afirmam existir uma “lacuna” entre a retórica e a distribuição de vacinas no mundo e que não se vê solidariedade.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas