Um milhão de euros incentiva projeto português de IA para melhorar qualidade da saúde
DATA
21/07/2021 17:05:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Um milhão de euros incentiva projeto português de IA para melhorar qualidade da saúde

A start-up portuguesa UpHill, o grupo Luz Saúde e a Faculdade de Engenharia da Universidade da Beira Interior (UBI) viram aprovado o addPath, um projeto de investigação e desenvolvimento, tendo por base a inteligência artificial (IA), incentivado com fundos europeus no valor de um milhão de euros. O objetivo é garantir que todos os doentes sejam tratados de acordo com a melhor evidência científica e, consequentemente, assegurar maior segurança e melhores resultados em saúde. 

O addPAth funciona como uma espécie de GPS para guiar os cuidados de saúde, oferecendo respostas e soluções que ainda obstruem a adoção do sistema clinical pathways.

A tecnologia, baseada em IA vai permitir melhorar a transposição das evidências científicas para o seu uso efetivo na prestação dos cuidados médicos. “Aspetos como o ritmo de produção da evidência, as necessidades das unidades de saúde e a adequação das recomendações à prática clínica são frequentemente apontados como barreiras para a implementação e adoção das melhores práticas em saúde”, assinalam, em comunicado, os parceiros do projeto.

“O addPath permitirá avançar significativamente o conhecimento técnico-científico nos desafios enunciados, providenciando respostas e soluções que ainda obstruem a adoção de clinical pathways, posicionando este projeto como uma componente fundamental para a implementação generalizada da saúde baseada na evidência, a nível local, nacional e internacional”, frisa o CEO da UpHill, Eduardo Freire Rodrigues, citado na referida nota.

Por seu turno, o head of Value Based Healthcare do Grupo Luz Saúde, Filipe Costa, sublinha que a sua organização tem já um projeto no domínio da saúde baseada no valor, envolvendo todo o ciclo de cuidados. “Para implementar esta visão é essencial dotar as equipas de instrumentos que potenciem a efetividade da decisão clínica”, argumenta. 

Sílvia Socorro, vice-reitora para a Investigação, Inovação e Desenvolvimento da UBI, considera o addPath da “máxima relevância pelo impacto que pode ter na melhoria da decisão clínica, quer para os profissionais de saúde, que melhoram a eficácia do seu desempenho, quer para os doentes, que beneficiam da otimização das decisões adequadas à melhor resolução dos seus problemas de saúde”.

Este novo projeto foi cofinanciado no âmbito dos incentivos à IDT +CO3SO do Portugal 2020, um conjunto de programas transversais e multissetoriais dedicados a empresas, entidades da economia social e do sistema científico e tecnológico. 

MGF 2020-30: Desafios e oportunidades
Editorial | Gil Correia
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades

Em março de 2020 vivemos a ilusão de que algumas semanas de confinamento nos libertariam para um futuro sem Covid-19. No resto do ano acreditámos que em 2021 a realidade voltaria. Mas, por definição, a crise é uma mudança de paradigma. O normal mudou. Importa que a Medicina Geral e Familiar se adapte e aproveite as oportunidades criadas. A Telemedicina, a desburocratização e um ambiente de informação, amigável flexível e unificado são áreas que me parecem fulcrais na projeção da MGF no futuro.

Mais lidas