COVID-19: Estudo revela “raridade” de sintomas de longa duração nas crianças
DATA
04/08/2021 13:04:04
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




COVID-19: Estudo revela “raridade” de sintomas de longa duração nas crianças

A maioria das crianças que contrai COVID-19 recupera em menos de uma semana e apenas algumas ainda têm alguns dos sintomas mais comuns após um mês. A revelação é avançada pela revista The Lancet, ao publicar um estudo assinado por investigadores do King's College London.

 

“É reconfortante saber que o número de crianças que experimentam sintomas de COVID-19 de longa duração é baixo. No entanto, um pequeno número de crianças sofre de doenças prolongadas”, afirmou Emma Duncan, coautora do estudo e professora do King's College London, Reino Unido, numa declaração em que deu ênfase à principal conclusão da pesquisa: “a raridade de casos com sintomas duradouros”.

Numa pesquisa representativa de 1.734 pacientes sintomáticos na faixa etária 5-17 anos, e com base em dados recolhidos numa aplicação móvel por pais e prestadores de cuidados envolvidos no projeto “ZOE COVID”, apenas 77 (4,4%) ainda tinham pelo, menos, dois dos três sintomas mais comuns (fadiga, dor de cabeça e perda de olfato/sabor) após quatro semanas. Foi notório também que, volvidas oito semanas, praticamente todos (98,2%) dos que apresentavam sintomas tinham recuperado.

Os investigadores notam que a fadiga foi o sintoma mais “prevalente neste grupo (84%), enquanto 77,9% também sentiu dor de cabeça e perda de olfato/sabor, respetivamente, em alguma fase da doença”. A este respeito, a dor de cabeça é o sintoma mais comum no início da doença, enquanto a perda de olfato/sabor surge mais tarde e permanece por mais tempo, pode ler-se no estudo.

Outro tópico sinalizado tem a ver com as “diferenças na duração média da doença entre crianças do ensino primário (5-11 anos de idade) e do ensino secundário (12-17 anos de idade)”: nas mais crescidas, a COVID-19 durou em média sete dias, em comparação com cinco dias nas crianças mais novas.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas