COVID-19: APMGF adverte que terceira dose da vacina tem de agregar não só os centros de saúde

A Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) assegura que os centros de saúde não conseguem assumir, por si só, a administração de uma terceira dose da vacina.

Na sequência da possibilidade sugerida pelo coordenador da ‘task force’ para a vacinação, vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, o presidente da APMGF alertou para o facto de as unidades de Cuidados de Saúde Primários (CSP) não terem capacidade para administrar, isoladamente, a terceira dose da vacina contra a COVID-19.

Em entrevista à rádio Observador, Nuno Jacinto afirmou que, caso este seja o caminho adotado, torna-se “impossível retomar a atividade assistencial nos moldes que todos pretenderíamos, quer profissionais, quer utentes”. O presidente recordou, ainda, que a APMGF sempre defendeu a criação de equipas específicas, tanto para a vacinação, como para outras tarefas.

“Estamos nisto há mais de um ano e, efetivamente, os profissionais dos CSP continuam a responder sempre à pandemia, mas com muita dificuldade em responder ao resto”, sublinhou Nuno Jacinto, em razão de os centros de saúde não deixarem de ser chamados a assumir “tarefas que poderiam ser desempenhadas por outros”.

#sejamestrelas
Editorial | António Luz Pereira
#sejamestrelas

Ciclicamente as capas dos jornais são preenchidas com o número de novos médicos. Por instantes todos prestam atenção aos números. Sim, para muitos são apenas números. Para nós, são colegas que se decidiram pelo compromisso com os utentes nas mais diversas áreas. Por isso, queremos deixar a todos, mas especialmente aqueles que abraçaram este ano a melhor especialidade do Mundo uma mensagem: “Sejam Estrelas”.

Mais lidas