COVID-19: impacto da pandemia no decréscimo da natalidade em Portugal (menos 6,6%)
DATA
01/09/2021 11:45:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



COVID-19: impacto da pandemia no decréscimo da natalidade em Portugal (menos 6,6%)

A pandemia tem gerado uma queda significativa nas taxas de natalidade bruta em vários países, com declínios particularmente acentuados no sul da Europa: Itália (-9,1%), Espanha (-8,4%) e Portugal (-6,6%). Esta é a conclusão de um estudo assinado pela Universidade Bocconi, Itália, e publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, utilizando modelos numéricos e analisando indicadores de 22 países.

Para avaliar melhor o efeito desta doença, os autores do estudo recolheram dados mensais até março de 2021. E após vários cálculos comparativos, tiveram por suporte modelos permitindo contabilizar a sazonalidade e as tendências a longo prazo.

Os dados, relativos à primeira vaga, mostraram que a pandemia foi acompanhada por um “declínio significativo nas taxas de natalidade bruta para além do previsto pelas tendências do passado em sete dos 22 países considerados”. As referidas taxas caíram 8,5% na Hungria, 9,1% em Itália, 8,4% em Espanha e 6,6% em Portugal.

Os resultados revelam ainda o impacto da pandemia na dinâmica populacional e podem ter implicações políticas nos cuidados infantis, na habitação e no mercado de trabalho.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas