“O objetivo do tratamento da urticária é o controlo total dos sintomas”, afirma Célia Costa
DATA
07/09/2021 10:33:18
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


“O objetivo do tratamento da urticária é o controlo total dos sintomas”, afirma Célia Costa

No tratamento da urticária, o objetivo passa pelo controlo total dos sintomas, não se limitando apenas a uma melhoria. Quem o diz é a imunoalergologista Célia Costa, que acrescenta que os doentes deverão ser tratados “enquanto houver urticária”, quer se traduza em um ano, uma década, ou mais.

“E isto [duração da urticária] é uma coisa que temos de transmitir aos doentes, para que não cause ansiedade e não haja recorrência sucessiva a vários recursos médicos numa procura insensata por uma causa”, alerta.

A especialista clarifica que, nas urticárias crónicas espontâneas, “muitas vezes”, há fatores de agravamento, mas, se excluídos, não existe uma causa identificada. 

Também o tratamento foi um dos tópicos destacados por Célia Costa: “A primeira linha terapêutica é a não farmacológica, com a identificação, eliminação de causas subjacentes e evicção de estímulos desencadeantes (fármacos, alimentos, estímulos físicos, erradicação de agentes infeciosos e abordagem alimentar)”. E é após a identificação e controlo destes fatores, que entra o tratamento farmacológico adequado para prevenir o mecanismo fisiopatológico da urticária, que é a desgranulação dos mastócitos e a libertação dos mediadores inflamatórios.

O principal mediador da urticária é a histamina, levando a que os anti-histamínicos sejam a primeira linha terapêutica, no entanto, sabe-se que “estes anti-histamínicos não vão bloquear só a histamina, mas também outros mediadores inflamatórios que são libertados durante este processo”.

Assista ao vídeo com os highlights da sua apresentação, no âmbito das Sessões Alergo da A. Menarini Portugal, e fique ainda a par das recomendações terapêuticas de primeira e de segunda linhas:  

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas