Webinar da AADIC centrado nas perspetivas da Insuficiência Cardíaca (2021-2022)
DATA
20/09/2021 12:01:51
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Webinar da AADIC centrado nas perspetivas da Insuficiência Cardíaca (2021-2022)

A Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca (AADIC) promove, a 28 de setembro, a partir das 21h00, a sessão online “Insuficiência Cardíaca: Perspetivas 2021-2022”. Com transmissão exclusiva via Facebook e site da AADIC, o evento conta com a presença de Lino Gonçalves, presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC), Nuno Lousada, administrador da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) e de Luís Filipe Pereira, presidente da AADIC. A moderação cabe a Maria José Rebocho, cardiologista e membro do conselho técnico-científico da AADIC.

A curto prazo “vão ser retomados alguns projetos que a SPC não conseguiu concretizar por causa da pandemia, como (…) o Porthos, um estudo de grande dimensão que pretende avaliar a prevalência real e caracterizar clinicamente a insuficiência cardíaca em Portugal”, esclarece, em comunicado, o presidente da SPC, assinalando que a estratégia é “aumentar a literacia em saúde na população mais jovem”, num quadro de prioridades em que releva, igualmente, “o reforço do [nosso] Centro Nacional de Coleção de Dados em Cardiologia”.

Nas palavras de Nuno Lousada, sublinha-se a insuficiência cardíaca como “doença que ameaça a vida das pessoas, com uma taxa de sobrevivência que continua baixa e (…) uma prevalência a aumentar”. E assim acontece dado o índice de maior esperança de vida resultante de “melhores cuidados médicos e sanitários”.

“A terapêutica atual, com melhores medicamentos e aparelhos” tem permitido incrementar “a sobrevida e a qualidade de vida dos doentes”, o que passa pela “toma de um número significativo” de fármacos e por cuidados específicos “para manter a eficácia de diversos equipamentos implantados”, explica o administrador da FPC.

No final deste webinar, os doentes e cuidadores na assistência serão convidados a partilhar, com os oradores, dúvidas e pontos de vista.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas