Aplicação portuguesa para proteção de dados médicos já tem patente
DATA
21/09/2021 14:10:57
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Aplicação portuguesa para proteção de dados médicos já tem patente

Uma solução informática que permite gerir dados de saúde garantindo a desidentificação e o anonimato dos utentes. A novidade foi já patenteada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) por iniciativa da Mediceus, start-up portuguesa na área dos dados de saúde.

A nova funcionalidade “assegura que os utentes acedam aos seus dados pessoais de saúde nos (…) telemóveis, enviados pelos prestadores e gestores da informação, sem que [nos] seja possível (…) reidentificar os titulares” garante, em comunicado, o fundador da Mediceus, Peter Villax.

Entretanto, está a ser preparada agora a internacionalização da nova aplicação informática, no âmbito de um consórcio que agrega hospitais, empresas e universidades. Nesse sentido, será apresentada uma candidatura de investimento, em que se inscreve um montante indicativo de 20 milhões de euros, no quadro do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Esta é a primeira patente da autoria da Mediceus, com a designação PT 115.479. E a atribuição pelo INPI acontece apenas 20 meses depois de formalizado o respetivo pedido de registo.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas