Linha 1400: assistência farmacêutica portuguesa com distinção internacional
DATA
21/09/2021 17:42:38
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Linha 1400: assistência farmacêutica portuguesa com distinção internacional

Linha de assistência farmacêutica dinamizada pela Associação Nacional das Farmácias (ANF) foi distinguida pelo seu “excecional” contributo para a “Melhoria da Prática Farmacêutica”. Um prémio atribuído anualmente pela Federação Internacional Farmacêutica (FIP), que desta vez sorriu a Portugal.

A presidente da FIP, Dominique Jordan, sublinhou o “carácter inovador e a rapidez de implementação da iniciativa das farmácias portuguesas como resposta à necessidade de assegurar o acesso seguro aos medicamentos e aconselhamento farmacêutico dos cidadãos durante a crise pandémica”. Num cenário complexo, a FIP reconheceu também o papel da Linha 1400 no apoio à dispensa de medicamentos hospitalares em farmácias comunitárias e entregas domiciliárias em articulação com outras entidades, permitindo assim reduzir consideravelmente as movimentações de pessoas inseridas em grupos de risco e ajuntamentos nos hospitais.

“A população tem demonstrado uma enorme satisfação com o serviço, que veio reforçar a confiança depositada nas farmácias comunitárias e ajudar os profissionais que aí trabalham a enfrentar os desafios colocados pela COVID-19. Naturalmente estamos muito orgulhosos deste reconhecimento da FIP”, revela Marisa Gomes, responsável pelo Centro de Atendimento da Linha 1400.

Lançada em março de 2020, no primeiro pico pandémico e confinamento geral, a Linha 1400 é um serviço telefónico de âmbito nacional e gratuito, também disponível online desde fevereiro de 2021. Funciona 24 horas por dia, sete dias por semana, podendo ser usado para planear visitas à farmácia, reservar, encomendar e ajudar a encontrar medicamentos que, sendo urgentes, têm disponibilidade reduzida.

Este serviço garante a cada português que terá à sua espera, na farmácia da sua preferência, “todos os medicamentos e produtos de saúde de que necessita, havendo ainda diversas modalidades de entregas ao domicílio asseguradas em todo o país”, pode ler-se em nota enviada.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas