Fundação Champalimaud: Centro de Cancro do Pâncreas pode operar dez doentes por dia
DATA
23/09/2021 14:24:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Fundação Champalimaud: Centro de Cancro do Pâncreas pode operar dez doentes por dia

A Fundação Champalimaud inaugura na segunda-feira, dia 27 de setembro, um centro de investigação e intervenção clínica dedicado ao cancro do pâncreas, três blocos operatórios com capacidade para dez doentes por dia, 200 investigadores e parcerias internacionais na área da imunoterapia.

O vice-presidente da Fundação Champalimaud, João Silveira Botelho, explicou à Agência Lusa que o centro terá capacidade para “operar dez doentes por dia, com três salas de cirurgia equipadas com avançada tecnologia, 25 quartos de internamento e 15 de cuidados intensivos”. Esclareceu ainda que, no primeiro edifício, a fundação tinha já iniciado um programa de cancro do pâncreas, mas, em conjunto com a família Botton (que contribuiu com 50 milhões de euros), decidiu levar este programa “a um outro nível”, com o primeiro centro do género no mundo exclusivamente dedicado a esta doença.

Na área da investigação, o Centro de Cancro do Pâncreas Botton-Champalimaud terá “cerca de 120 investigadores básicos e 80 investigadores clínicos e dois tipos de laboratórios: um de ciência básica e um laboratório clínico de manipulação celular, mais avançado, tendo em vista a retirada de células dos pacientes, a sua transformação e reinserção no próprio paciente [imunoterapia]”, adiantou o responsável.

A atenção estará voltada especialmente para o estudo do perfil imunológico dos tumores do pâncreas e para o desenvolvimento de tratamentos inovadores nesta área. O pretendido, segundo a fundação, é “investir especialmente no desenvolvimento de ensaios clínicos com novos medicamentos de imunoterapia e em vacinas anti-tumorais personalizadas”.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas