Workshop focado em analisar os desafios do tratamento do cancro do pulmão
DATA
24/09/2021 12:04:30
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Workshop focado em analisar os desafios do tratamento do cancro do pulmão

No próximo dia 16 de outubro, a MSD Portugal desafia, pelo 5.º ano consecutivo, os profissionais de saúde a participar no workshop “O doente no centro da imunoterapia”, um evento onde serão analisados os desafios da prática clínica e as mais recentes perspetivas sobre o tratamento do cancro do pulmão, com a discussão de casos clínicos.

Segundo a farmacêutica, nesta edição, “a dinâmica do evento mantém-se com sessões interativas, alavancadas por uma dimensão tecnológica, que faz deste um dos eventos mais inovadores nesta área.”

A decorrer em formato exclusivamente digital, a iniciativa irá reunir vários especialistas ficando a sessão de abertura a cargo do comité científico, composto por Encarnação Teixeira, pneumologista do Hospital CUF Descobertas, Fernando Barata, pneumologista do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e Venceslau Hespanhol, pneumologista do Centro Hospitalar de São João (CHSJ).

Após a abertura, os participantes serão encaminhados para uma sessão plenária dedicada ao tema “Relação médico-doente: a gestão da doença na Transformação Digital”. Vão estar a debater a temática Gonçalo Madail, diretor da RTP Memória e Inovação, e António Araújo, diretor do Serviço de Oncologia Médica do Centro Hospitalar Universitário do Porto.

Passados estes dois momentos coletivos, os convidados poderão participar nos workshops selecionados, que serão liderados por especialistas de diferentes especialidades e que vão abordar os mais recentes avanços ao nível da imunoterapia no tratamento do cancro do pulmão.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas