Médicos portugueses de MGF vão formar colegas em Cabo Verde

Os médicos portugueses de Medicina Geral e Familiar (MGF), vinculados ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), vão poder ser dispensados para dar formação aos colegas cabo-verdianos, conforme adenda a um acordo anteriormente firmado entre ambos os países.

A adenda ao protocolo de formação em MGF para médicos cabo-verdianos foi assinada na cidade de Praia, pelo secretário de Estado da Saúde de Cabo Verde, Evandro Monteiro, e o secretário de Estado Adjunto e da Saúde de Portugal, António Lacerda Sales, noticia a agência Lusa.

“Estou certo que este é um passo importantíssimo para a melhoria da qualidade assistencial, da qualidade técnica, científica e formativa na área da MGF em Cabo Verde”, salientou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde português.

Segundo António Lacerda Sales, a adenda ao protocolo é uma oportunidade para os médicos de família portugueses promoverem e aproveitarem a troca de experiências.

Brevemente, Cabo Verde vai ter os primeiros formandos com mestrado integrado em Medicina, fruto também de uma parceria entre os dois governos, das universidades e das ordens profissionais, fez notar o governante.

O protocolo de cooperação assinado entre os dois países há mais de três anos visava a especialização em MGF, no âmbito do primeiro curso de Medicina lançado no ano letivo 2015/16 em Cabo Verde, com o apoio da Universidade de Coimbra.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas