APCP promove campanha enquadrada no Dia Mundial dos Cuidados Paliativos
DATA
08/10/2021 12:12:23
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


APCP promove campanha enquadrada no Dia Mundial dos Cuidados Paliativos

O Dia Mundial dos Cuidados Paliativos acontece a 9 de outubro e a Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) associa-se a esta celebração promovendo uma campanha que visa sensibilizar toda a sociedade em geral, através de mensagens positivas, reforçando a importância deste tipo de cuidados na vida de cada um de nós.

Sob o mote “#Porque todos importam”, a Associação pretende enaltecer o trabalho de todos os profissionais que se dedicam aos cuidados paliativos, de cada equipa, cuidador e doente.

Esta campanha alerta para o “ainda escasso acesso” a esta área especializada dos cuidados de saúde, com números que traduzem isso mesmo – num universo estimado em 70 mil adultos, apenas cerca de 20 mil foram acompanhados por uma equipa especializada, enquanto aproximadamente 800 crianças, num conjunto em torno das oito mil, beneficiaram desse acompanhamento (estimativas utilizadas no PEDCP 2019-2020 e dados da ACSS sobre a produtividade das equipas de cuidados paliativos), esclareceu a APCP, em comunicado.

Sublinha, igualmente, que tenciona, sobretudo, fomentar uma “reflexão forte e consequente entre os cidadãos, decisores e profissionais sobre a importância e urgência de garantir acesso a equipas de cuidados paliativos a cada pessoa que tem a sua vida marcada por uma doença grave”, que traz  “sofrimento e dependência a si e à sua família”.

Outubro tornou-se assim o mês de sensibilização para a importância do acesso a cuidados paliativos.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas