Pandemia: estudo calcula mais de 25%  de casos de depressão e ansiedade
DATA
08/10/2021 17:22:40
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Pandemia: estudo calcula mais de 25% de casos de depressão e ansiedade

Investigação estima que a COVID-19 tenha provocado, em 2020, a nível mundial, um aumento superior a 25% de casos de depressão e ansiedade, afetando sobretudo mulheres e jovens.

O estudo, já publicado na revista científica The Lancet, recolheu dados em 204 países e territórios, concluindo que a pandemia terá estado na origem de 53 milhões de situações depressivas adicionais e 76 milhões de casos de transtorno de ansiedade, noticia a agência Lusa.

Estes valores representam, segundo os investigadores, um crescimento de 28% nos casos de depressão e de 26% nas situações de ansiedade. E, além disso, demonstram que os países com elevadas taxas de infeções e grandes restrições no movimento de pessoas tiveram os maiores aumentos na prevalência destes quadros clínicos.

Os dados apurados sugerem, assim, a “necessidade urgente de fortalecer os sistemas de saúde mental para lidar com a carga crescente da depressão e da ansiedade em todo o mundo”, alertou o autor principal do estudo, Damian Santomauro.

O modelo utilizado pelos investigadores apontou para a existência de 193 milhões de casos de transtorno depressivo à escala mundial num cenário sem pandemia, valor que aumentou para os 246 milhões – mais 53 milhões – com o impacto da COVID-19.

De acordo com o estudo, as pessoas mais jovens foram as mais afetadas por situações depressivas e de ansiedade em 2020, com a faixa etária dos 20 aos 24 anos a registar a maior prevalência de casos.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas