Trombose: GESCAT alerta para perigo da doença
DATA
11/10/2021 17:26:39
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Trombose: GESCAT alerta para perigo da doença

No âmbito do Dia Mundial da Trombose, definido pela Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia (ISTH) como sendo a 13 de outubro, o Grupo de Estudos de Cancro e Trombose (GESCAT) alerta para a necessidade de consciencialização da população e dos profissionais de saúde para as causas, fatores de riscos e sintomas desta patologia. 

“Silenciosa, assintomática, repentina e grave. A trombose é uma doença causada pela formação de um coágulo sanguíneo numa veia, principalmente nos membros inferiores. Se não houver uma ação rápida, pode ser fatal”. Palavras do médico oncologista e presidente do GESCAT, Sérgio Barroso, em comunicado enviado.

Atualmente, estima-se que esta doença afete duas a cada mil pessoas por ano, com uma taxa de ocorrência de 25%. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que a trombose ocorre nas três maiores causas de morte por doenças cardiovasculares no mundo: enfarte, acidente vascular cerebral (AVC) e tromboembolismo (TEV).

“É por este motivo que o GESCAT defende que a trombose deve ser considerada um problema de saúde urgente e crescente e que o primeiro passo para a prevenção (…) é entender como é que esta doença se manifesta no corpo. A falta de conhecimento de grande parte da população acerca desta patologia silenciosa atrasa frequentemente o seu correto diagnóstico e consequente tratamento, o que a torna a principal causa de morte cardiovascular evitável”, esclarece o especialista.

Os membros inferiores são os locais mais comuns de trombose e os principais sintomas são o inchaço, a dor, o calor e a vermelhidão local.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas