Estudo revela que cerca de metade dos recuperados apresenta sintomas de “COVID longa”
DATA
14/10/2021 12:09:12
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Estudo revela que cerca de metade dos recuperados apresenta sintomas de “COVID longa”

Cerca de metade dos mais de 236 milhões de pessoas que foram infetadas em todo o mundo com COVID-19 apresentará sintomas persistentes seis meses depois da infeção, sugere um estudo divulgado.

Segundo os investigadores da universidade norte-americana Penn State College of Medicine, estes resultados sugerem que o grande número de recuperados de COVID-19 precisará de “cuidados para uma variedade de sintomas psicológicos e físicos”. Muitos destes doentes demonstram vários sintomas como cansaço, dificuldade em respirar, dor no peito, dores nas articulações e perda do paladar ou do olfato que perduram mesmo após a recuperação da doença, uma condição conhecida por “COVID longa”.

Os especialistas fizeram uma revisão sistemática de 57 relatórios que incluíram dados de 250.351 adultos não vacinados e de crianças com diagnóstico de COVID-19, de dezembro de 2019 a março de 2021. Deste grupo, com uma idade média de 54 anos, “79% foram hospitalizados e eram residentes em países de elevado rendimento, tendo sido avaliadas durante três intervalos de tempo — um mês (curto prazo), dois a cinco meses (intermédio) e seis ou mais meses (longo prazo)”.

Os resultados revelaram ainda que “mais da metade dos doentes relatou perda de peso, fadiga, febre ou dor, cerca de um em cada cinco sofreu uma diminuição da mobilidade e quase um em cada quatro teve dificuldade de concentração”.

Entre outros sintomas recorrentes como dor no peito e palpitações, seis em cada dez recuperados apresentaram anormalidades em exames de Imagiologia ao tórax e mais de um quarto relatou dificuldade em respirar.

“Essas descobertas confirmam o que muitos profissionais de saúde e sobreviventes da COVID-19 têm afirmado, que os efeitos adversos podem perdurar”, destacou o investigador e presidente do Departamento de Ciências da Saúde Pública norte-americano, Vernon Chinchilli.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas