Estudo constata aumento gradual de risco de infeção após 90 dias da segunda dose
DATA
25/11/2021 12:41:19
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Estudo constata aumento gradual de risco de infeção após 90 dias da segunda dose

Um estudo do Leumit Health Servisses Research Institute, em Israel constatou um aumento gradual no risco de infeção por COVID-19 começando 90 dias após receber segunda dose da vacina da Pfizer/BioNTech. Os resultados sugerem que poderia estar justificada a consideração de uma terceira dose, assinalam os responsáveis do estudo publicado na revista The BMJ.

“Examinar o tempo desde a vacinação e o risco de infeção pode fornecer pistas importantes sobre a necessidade de uma terceira injeção e o melhor momento a fazê-lo”, esclarece um comunicado da revista. Acrescenta que foram analisados registos eletrónicos de saúde de 80.057 adultos (com idade média de 44 anos), que se haviam submetido a um teste de PCR pelo menos três semanas após a segunda dose e que não tinham evidencia de infeção anterior por COVID-19.

Destes 80.057 participantes, “7.973 (9,6%) tiveram um resultado positivo na prova - estes indivíduos foram emparelhados com controlos negativos da mesma idade e grupo étnico que se submeteram à prova na mesma semana”.

Ainda de acordo com o estudo, a taxa de resultados positivos “aumentou com o tempo decorrido desde a segunda dose”. Por exemplo, em todos os grupos etários, 1,3% dos participantes deram positivo entre os 21 e 89 dias depois da segunda dose, mas este número aumentou para 2,4% depois de 90-119 dias, para 4,6% depois de 120-149 dias, para 10,3% após 150-179 dias e para 15,5% depois de 180 dias ou mais.

Os investigadores reconhecem que a interpretação dos seus resultados está limitada pelo desenho observacional e não podem descartar a possibilidade de outros fatores não medidos, como o tamanho da amostra, a densidade de população ou a variante do vírus, possam ter contribuído para o efeito.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas