COVID-19: Linha SNS24 toma medidas para responder à “pressão muito elevada e repentina”
DATA
23/12/2021 15:29:09
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


COVID-19: Linha SNS24 toma medidas para responder à “pressão muito elevada e repentina”

Durante a última semana, a Linha SNS24 atendeu cerca de 240 mil chamadas, quase mais 30% do que na semana anterior, estando a ser tomadas várias medidas para responder à “pressão muito elevada e repentina” devido ao agravamento da pandemia.

Os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) afirmaram, em declarações à agência Lusa, que tem sido registado um “crescimento muito acentuado da procura da Linha SNS24”.

“Na última semana foram resolvidas pela Linha SNS24 mais de 240 mil chamadas, um crescimento de quase 30% face à semana anterior e um aumento para mais do triplo face à primeira semana de novembro”, adiantou a mesma fonte.

Segundo os SPMS, para responder a esta “pressão muito elevada e repentina, foram tomadas, em articulação com a Direção-Geral da Saúde e o operador, um conjunto de medidas, entre as quais abertura de novos call centers para beneficiar de recursos humanos disponíveis noutras regiões”.

Outra das medidas é a formação e contratação de novos profissionais, perfazendo neste momento cerca de cinco mil, maioritariamente enfermeiros, mas também psicólogos, farmacêuticos, médicos-dentistas, administrativos, intérpretes de Língua Gestual Portuguesa e estudantes de Medicina do sexto ano.

Além disso, estão a ser diversificadas as categorias dos profissionais e das respetivas tarefas para otimizar o atendimento na linha, revisto alguns algoritmos para elevar a sua eficiência e serem adotadas soluções mais alargadas de atendimento automatizado.

“Contamos ter nos próximos dias uma elevação da pressão sobre a linha, pelo que continuaremos a adotar todas as medidas de emergência que contribuam para salvaguardar a qualidade do serviço”, asseguraram os SPMS.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.