Biotecnológica portuguesa desenvolve vacina e tratamento para infeções bacterianas
DATA
13/01/2022 09:45:49
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Biotecnológica portuguesa desenvolve vacina e tratamento para infeções bacterianas

A Immunethep, biotecnológica portuguesa, tem em desenvolvimento uma vacina injetável e um tratamento contra as infeções bacterianas resistentes a antibióticos, com base numa investigação desenvolvida na Universidade do Porto (UP). A vacina em desenvolvimento baseou-se numa investigação universitária “realmente única” ligada à própria criação da Immunethep, sediada em Cantanhede, no distrito de Coimbra.

“Não estamos a atacar cada uma das bactérias isoladamente. Foi descoberto um mecanismo que todas essas bactérias usam e estamos a falar de bactérias conhecidas pela sua resistência a antibióticos e responsáveis por grande parte das infeções hospitalares”, adiantou à agência Lusa o cofundador e administrador executivo da biotecnológica, Bruno Santos.

Lembrou ainda que no mercado, atualmente, “há vacinas que conseguem prevenir alguns subtipos de cada bactéria”, frisando que a tecnologia “muito mais abrangente” em desenvolvimento na Immunethep “é um produto que vai ser revolucionário” e que irá entrar em ensaios clínicos.

“Devido a ser algo completamente novo e um mecanismo completamente novo do que o usado até agora, exigiu da nossa parte uma investigação maior no desenvolvimento”, esclareceu.

Uma das bactérias visadas pela nova vacina é a pneumococo - principal responsável por pneumonias e meningites, entre outras doenças – “em que as vacinas que estão no mercado, juntas, representam cerca de sete mil milhões de vendas por ano”.

Paralelamente à vacina antibacteriana “que será sempre preventiva da infeção” e para além de outra contra a COVID-19, a Immunethep está a desenvolver um tratamento por anticorpos monoclonais – que ajudam o sistema imunológico a combater doenças mais rapidamente – passível de ser aplicado a doentes “quando os antibióticos não funcionam”.

“A vacina está numa fase mais adiantada, os anticorpos numa fase ainda mais atrasada, mas já temos parcerias [com empresas farmacêuticas e outras entidades] à escala global e continuamos esse desenvolvimento”, finalizou Bruno Santos.

#sejamestrelas
Editorial | António Luz Pereira
#sejamestrelas

Ciclicamente as capas dos jornais são preenchidas com o número de novos médicos. Por instantes todos prestam atenção aos números. Sim, para muitos são apenas números. Para nós, são colegas que se decidiram pelo compromisso com os utentes nas mais diversas áreas. Por isso, queremos deixar a todos, mas especialmente aqueles que abraçaram este ano a melhor especialidade do Mundo uma mensagem: “Sejam Estrelas”.

Mais lidas