Mais de 28 mil embalagens de antidepressivos vendidas em média por dia em 2021 em Portugal
DATA
24/01/2022 17:21:43
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Mais de 28 mil embalagens de antidepressivos vendidas em média por dia em 2021 em Portugal

O consumo de antidepressivos em Portugal tem vindo a aumentar desde 2019, de acordo com dados do Infarmed, que mostram que só em 2021 se venderam, em média, mais de 28 mil embalagens por dia.

Os dados avançados à Lusa pelo Infarmed dizem respeito apenas aos primeiros nove meses do ano passado e mostram que os portugueses compraram mais de 15,7 milhões de embalagens de ansiolíticos, sedativos, hipnóticos e antidepressivos, representando assim um encargo para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 46 milhões de euros.

Comparando a evolução de vendas desde o último ano antes da pandemia – 2019 -, verificou-se que o consumo de antidepressivos esteve “sempre a crescer”. Em 2019 venderam-se em média 25 mil (25.667) embalagens por dia, em 2020 o valor passou os 26 mil (26.858) e, em 2021, ultrapassou as 28 mil caixas diárias (28.539), de acordo com as contas feitas pela Lusa.

No que toca ao consumo de ansiolíticos, sedativos e hipnóticos existiu “uma diminuição entre 2019 e 2020, mas no ano passado sofreu um ligeiro aumento”. Em média foram vendidas quase 28.300 mil embalagens diárias de ansiolíticos, sedativos e hipnóticos em 2019, tendo o consumo descido para 28.036 embalagens no ano seguinte.  Já no ano passado, a venda aponta para um valor médio diário de 29.444 embalagens diárias.

Juntando todos os medicamentos, verifica-se um aumento do consumo ao longo dos três últimos anos.

Os dados avançados à agência Lusa são relativos a medicamentos prescritos e comparticipados pelo SNS, dispensados nas farmácias comunitárias em Portugal continental, e foram recolhidos a partir da informação disponibilizada pelo Centro de Controlo e Monitorização do SNS, estando a mesma sujeita a atualizações.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.