FMUC e IPO de Coimbra estabelecem parceria
DATA
02/02/2022 14:37:11
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


FMUC e IPO de Coimbra estabelecem parceria

A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) e o Instituto Português de Oncologia (IPO) de Coimbra estabeleceram um protocolo que vai permitir aos estudantes de Medicina Dentária melhorar a sua formação e prestar serviços à comunidade.

Destinado a alunos do 4.º e 5.º anos do Mestrado Integrado em Medicina Dentária, este protocolo pretende recuperar uma parceria que, tendo sido estabelecida no início da criação do ensino de Medicina Dentária pela FMUC, durante muitos anos, “permitiu que os alunos desenvolvessem rotações clínicas em vários serviços hospitalares, incluindo o IPO de Coimbra”.

“Este protocolo vai ter uma relação bilateral, porque vai também, de alguma forma, permitir o acolhimento de profissionais do IPO para atividades diversas formativas no âmbito da nossa área da medicina dentária, não apenas clínica, mas na formação pós-graduada e, sobretudo, nas áreas de investigação”, frisa o diretor da FMUC, Carlos Robalo Cordeiro, em nota enviada.

A parceria entre instituições irá ainda permitir a realização de ações de formação também no âmbito de cursos de estudos avançados da FMUC (mestrados e pós-graduações), em que a área da oncologia oral seja fundamental.

“Com uma clara aposta na investigação, ambas as instituições assumem a vontade de levar a cabo projetos de investigação no âmbito epidemiológico (caracterização de perfis populacionais regionais), diagnóstico (estudo de técnicas inovadoras) e tratamento (estudos de eficácia)”, pode ler-se em comunicado.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.