Vacinados contra a COVID-19 deixam de ter de esperar sete dias para doar sangue
DATA
03/02/2022 17:06:43
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Vacinados contra a COVID-19 deixam de ter de esperar sete dias para doar sangue

As pessoas que receberam as vacinas da Pfizer e da Moderna contra a COVID-19 deixam de ter de esperar sete dias para doar sangue, anunciou o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST).

Esta alteração consta de uma nova atualização do plano de contingência do IPST para a sustentabilidade, qualidade e segurança do fornecimento de sangue e componentes sanguíneos durante a pandemia.

“Os potenciais dadores de sangue e de componentes sanguíneos vacinados com vacinas mRNA, (esquema vacinal primário ou dose de reforço) podem ser aceites como dadores de sangue caso se sintam bem e estejam assintomáticos”, pode ler-se no documento.

No que diz respeito às pessoas candidatas à dádiva que tenham tido COVID-19, continuam a ter de “aguardar 14 dias após a resolução dos sintomas para se candidatarem novamente”, adiantou o instituto.

O plano de contingência avança ainda que não existem evidências científicas de complicações na dádiva ou na administração de substâncias de origem humana que possam ser atribuíveis à vacinação do dador.

“No momento desta atualização, continuam a não existir evidências da transmissão deste vírus através da transfusão. Não foi reportado nenhum caso de transmissão de vírus respiratórios, incluindo SARS-CoV-2, através de substâncias de origem humana ou medicamentos derivados do plasma, nem foi relatado aumento da morbilidade e mortalidade por covid-19 em recetores de transfusão de sangue e componentes sanguíneos”, relevou o plano de contingência do IPST.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.