Investigadores do Porto em projeto europeu para melhorar acesso a cuidados de saúde oral
DATA
17/02/2022 14:51:13
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Investigadores do Porto em projeto europeu para melhorar acesso a cuidados de saúde oral

Investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) integram um projeto europeu que visa implementar um modelo para melhorar a qualidade e segurança no acesso aos cuidados de saúde oral para todos os cidadãos.

Paulo Melo, investigador do ISPUP, revelou à agência Lusa, que o projeto, intitulado DELIVER, pretende “colocar a saúde oral no topo das prioridades e na agenda dos decisores”. Nesse sentido, os investigadores vão desenvolver “um documento que permita tanto a decisores políticos, como a especialistas, médicos dentistas e outras entidades, perceberem o que é a saúde oral, as opções estratégicas a serem implementadas em cada país e os custos financeiros consoante o modelo a adotar”.

A “falta de dados e de indicadores de qualidade” é um dos principais desafios a ultrapassar nesta área, evidenciou o docente da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP), acrescentando que não têm “na área da saúde oral dados possíveis de serem percebidos de forma global. Toda a estratégia, que vai estando plasmada em muita investigação, acaba por não estar sistematizada e de acesso tão fácil quanto seria desejável”.

O projeto, que terá início no segundo semestre deste ano e tem a duração de 48 meses, conta com a participação de 10 instituições europeias, entre as quais o ISPUP.

No âmbito do projeto, o instituto da Universidade do Porto vai trabalhar na “aprovação de indicadores de qualidade” para os cuidados de saúde oral. Os indicadores vão servir de base para monitorizar e avaliar a segurança dos cuidados prestados nas clínicas dentárias e a nível comunitário, tanto em Portugal, como nos restantes países da União Europeia que integram o consórcio.

O docente sublinhou ainda que o objetivo é ter “indicadores que sejam utilizados sistematicamente para cada um dos propósitos na área da saúde oral, seja para fins de avaliação económica, seja para fins de avaliação da própria saúde ou prevenção”.

Além do ISPUP, participam no projeto investigadores da Radboud University Medical Center (Holanda), da Stichting Vrije Universiteit (Holanda), da Stichting MLC Foundation (Holanda), da Universitätsklinikum Heidelberg (Alemanha), da aQua gmbH (Alemanha), da Universidade de Manchester (Reino Unido), da Karolinska Institutet (Suécia), da Universidade de Malta (Malta) e da Universidade de Copenhaga (Dinamarca).

O projeto, coordenado pela Radboud University Medical Center, é financiado pela Comissão Europeia, ao abrigo do programa Horizonte Europa.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.