Cerca de 40% dos serviços de saúde interrompidos devido à pandemia

Cerca de 40% dos serviços essenciais de saúde foram interrompidos na Europa no primeiro ano da pandemia, um padrão que se manteve em 2021, e a COVID-19 está a ter um “impacto desproporcional” na saúde mental dos europeus.

Este alerta consta do Relatório Europeu da Saúde 2021 da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado, que atenta que ainda existe uma “janela crítica de oportunidade” para os governos e as autoridades saúde nacionais tomarem as medidas necessárias para minimizar o impacto da pandemia a vários níveis.

O documento indica que durante os primeiros meses da pandemia, 40% dos serviços essenciais de saúde foram pelo menos parcialmente interrompidos, uma perturbação que se manteve em 2021, com a suspensão a atingir cerca de 29% desses serviços.

“O impacto da pandemia na saúde da população vai para além do impacto da própria doença. Afetou igualmente o acesso universal a cuidados de qualidade e a promoção e proteção da saúde física, mental e social e do bem-estar da população em geral”, pode ler-se.

Segundo a OMS, comparando com a situação de 2020, a magnitude e a extensão das perturbações nos serviços de saúde nacionais parecem ter diminuído ao longo de 2021, ano em que o “cancelamento dos cuidados de saúde continuou a ser um problema grave e está associado a questões de disponibilidade de pessoal e camas de internamento”.

Já os rastreios e tratamentos do cancro da mama, do colo do útero e colorretal, que na maioria dos mais de 50 países que integram a região europeia da OMS foram parcialmente interrompidos ou atrasados. “O número de diagnósticos de cancro diminuiu significativamente”, adianta a OMS, ao alertar que os diagnósticos e tratamentos tardios do cancro têm impacto nas taxas de sobrevivência do paciente.

A OMS reconhece que os dados variam sobre a quantificação do aumento do número de mortes evitáveis por cancro, mas aponta o exemplo do Reino Unido, onde um estudo estimou que os óbitos adicionais em cinco anos devido ao cancro da mama, colorretal, do pulmão e do esófago situam-se entre 3.300 e 3.600.

“As políticas de cancelamento (parcial) de cirurgias eletivas não urgentes e/ou redução do tempo de hospitalização dos doentes foram implementadas por muitos países, incluindo a Bélgica, a República Checa, a Dinamarca, a Alemanha, a Irlanda, os Países Baixos, Portugal, a Suíça, a Turquia e o Reino Unido”, refere o documento.

O relatório frisa também que a pandemia teve um “impacto desproporcionado” na saúde mental dos europeus, afetando principalmente as mulheres nas faixas etárias entre os 18 e 24 anos e dos 35 aos 44 anos.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.