Uninova e Fundação Portuguesa de Cardiologia promovem “Dias da Saúde Smart4Health” na Madeira
DATA
02/05/2022 09:15:40
AUTOR
Jornal Médico
Uninova e Fundação Portuguesa de Cardiologia promovem “Dias da Saúde Smart4Health” na Madeira

Em maio, o Uninova e a Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) organizam os “Dias da Saúde Smart4Health”, na Madeira, com ciclos de palestas, atividades e rastreios cardiovasculares, assinalando o “Mês do Coração”.

As ações vão decorrer durante todo o mês de maio e o evento inaugural terá início no dia 2, pelas 15h00 horas, contando com a presença do presidente da Delegação Regional da FPC, António Almada Cardoso, do Secretário Regional da Saúde e Proteção Civil, Pedro Ramos, e do Coordenador da iniciativa, Ricardo Jardim Gonçalves.

No stand Madeira Digital Health and Wellbeing, agora com uma nova localização, na Praça do Povo, vão ser realizadas diversas atividades de bem-estar, seguindo-se um ciclo de palestras em saúde, que terá lugar na reitoria da Universidade da Madeira, Colégio dos Jesuítas, com o cardiologista João Adriano, do Hospital Dr. Nélio Mendonça, e o nutricionista Bruno Sousa.

O encerramento das atividades ocorrerá a 31 de maio, com a atribuição de prémios.

O coordenador da iniciativa Madeira Health and Wellbeing, Ricardo Jardim Gonçalves, sublinhou a importância da tecnologia digital junto da sociedade e a senior researcher no Uninova, Maria Marques, explicou que “estes dias são uma oportunidade para a população local e turistas conhecerem e experimentarem a tecnologia para a saúde digital que a iniciativa Madeira Digital Health and Wellbeing está a implantar na região da Madeira, ao mesmo tempo que participam no rastreio cardiovascular”.

Os “Dias da Saúde Smart4health” fazem parte das iniciativas promovidas pelo projeto Smart4Health, que tem como objetivo agregar, numa única plataforma, todos os dados de saúde e registos médicos, disponibilizando-os de forma simples e rápida aos cidadãos europeus.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.