Sociedade Portuguesa de Nefrologia reporta a pouca importância dada à doença renal crónica
DATA
19/05/2022 14:21:42
AUTOR
Jornal Médico
Sociedade Portuguesa de Nefrologia reporta a pouca importância dada à doença renal crónica

No âmbito da consulta pública do Plano Nacional de Saúde (PNS) 2021-2030, a Sociedade Portuguesa de Nefrologia (SPN) dirigiu-se ao grupo de trabalho responsável por este plano manifestando a sua preocupação “pelo facto de a doença renal crónica praticamente não ser contemplada enquanto objetivo de cuidado em saúde em Portugal na próxima década”. A sociedade científica recorda que esta é uma doença com uma enorme prevalência, que afeta cerca de um em cada 10 indivíduos, e cuja incidência tem vindo a aumentar.

No documento dirigido ao grupo de trabalho, o SPN referiu estudos como o RENA “em que cerca de 20% da população portuguesa apresenta algum grau de DRC” e o “estudo CaReMi CKD3, que revela uma prevalência de 10% de DRC de acordo com dados recolhidos dos registos do SPMS”. Neste sentido, a sociedade reforça a importância de valorizar a doença renal crónica, pois 1 em cada 10 pessoas a apresenta este quadro médico. 

“Dados não menos preocupantes mostram que a prevalência da DRC deverá aumentar e, em 2040, será a quinta principal causa de anos de vida perdidos por doença. Como se este impacto, a nível individual e social, não fosse suficientemente angustiante, também a nível financeiro e económico é bastante inquietante. Embora apenas 0.1-0.2% da população geral seja submetida a algum tipo de TSFR, esse grupo consome pelo menos 2% e até 5-6% do orçamento dos cuidados de saúde. Estima-se, aliás, que cada doente custe ao Estado cerca de 80000€/ano”, lê-se no documento. 

O SPN conclui assim com a ideia de que a “proposta é a inclusão da doença renal crónica na vertente de identificação precoce, critérios de referenciação para consultas de nefrologia, medidas de nefroprotecção e tratamento modificador do prognóstico num sub-capítulo da estratégia para a diabetes e/ou doença cardiovascular”.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.