Equipas de saúde comunitárias do ACES Almada Seixal recebem duas novas viaturas
DATA
17/06/2022 12:26:51
AUTOR
Jornal Médico
Equipas de saúde comunitárias do ACES Almada Seixal recebem duas novas viaturas

O Hospital Garcia de Orta (HGO) entregou duas viaturas às equipas comunitárias do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Almada Seixal para reforçar a intervenção conjunta no contexto do projeto do Grupo de Resolução dos High Users (GRHU). As novas viaturas vão agilizar contactos de proximidade e visitas domiciliárias, nas situações em que a complexidade dos doentes assim o exige.   

A cerimónia de entrega das viaturas teve lugar no HGO, onde os membros do Conselho de Administração contaram com representantes de várias entidades ligadas ao projeto, equipas hospitalares e equipas dos cuidados de saúde primários. Estas viaturas foram entregues pelos membros do Conselho de Administração: Nuno Marques, diretor clínico e Paula Realista, enfermeira diretora do HGO, acompanhados pelas vogais executivas do hospital: Ana Sofia Ferreira e Vera Almeida, e a Luís Pisco, presidente do conselho diretivo da Administração Regional de Saúde, Lisboa e Vale do Tejo.   

Com o intuito de cumprir “uma lógica de proximidade, vão permitir prestar cuidados de saúde multidisciplinares, mais próximos e ainda mais direcionados às necessidades dos nossos doentes”, refere Nuno Marques. Estas viaturas “vão ser muito úteis e fazer a diferença no dia a dia das equipas de profissionais de saúde.” 

Paula Realista, salientou ainda a importância do momento, “sentimo-nos felizes por concretizar esta fase deste projeto conjunto, entre o hospital e o ACES Almada Seixal”. A entrega destas viaturas “bem equipadas é o resultado de vários anos de esforço, dedicação e resiliência das nossas equipas, a quem agradeço. São elas que, desde 2016, mantêm o seu empenho e dinamismo no projeto GRHU”, acrescenta.

Luís Pisco começou por sublinhar a importância do projeto e agradecer a entrega destas duas novas viaturas que “seguramente irão contribuir para um melhor conforto e segurança de todos: doentes e profissionais”,destacando ainda a colaboração "destas duas instituições que trabalham de uma forma coordenada, multidisciplinar e integrada em prol dos seus doentes". 

Criado em 2016, o Projeto GRHU é um grupo de trabalho multidisciplinar, constituído com o apoio do Conselho de Administração do HGO e Direção do Agrupamento de Centros de Saúde Almada-Seixal (ACES A-S), integrando médicos, enfermeiros e assistentes sociais das duas instituições que trabalham em parceria. O público-alvo deste grupo de trabalho são os High Users, ou utilizadores muito frequentes do Serviço de Urgência Geral do HGO, os doentes que protagonizam dez ou mais episódios de urgência, em 12 meses. 

Desde o início do projeto, o grupo identificou que os High Users apresentavam problemas e necessidades complexas de saúde mental e física, doenças crónicas múltiplas, suporte social insuficiente e dificuldades socioeconómicas. A realização de frequentes episódios de urgência sugeria que estes doentes teriam de receber outra resposta e/ou tratamento mais adequado às suas necessidades, quer de saúde, quer sociais.     

No âmbito da sua atividade, o GRHU elabora, ainda, um Plano Individual de Integração (PII) para cada High User, com a colaboração de todos os intervenientes, incluindo das Equipas de Família da Unidade de Saúde a que o doente pertence. 

O reconhecimento do trabalho desenvolvido e dos resultados obtidos possibilitou o estabelecimento de uma parceria com a Value for Health CoLAB da Nova Medical School. O trabalho de investigação conjunto permitiu avaliar o impacto da atividade do GRHU, quantificar Ganhos em Saúde, assim como validar a metodologia adotada - Gestão de Cuidados Integrados e Centrados na Pessoa.  

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.